quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Silvio Lancelotti: Adeus, Mário Sérgio - Portal Vermelho

Silvio Lancelotti: Adeus, Mário Sérgio - Portal Vermelho: Este é o texto mais difícil que eu escrevo em meu meio século de carreira. Primeiro, pelo cansaço absurdo, visto que comecei a perseguir informações de fato confiáveis a respeito do acidente do avião da Chapecoense por volta de duas da manhã, logo que soube da tragédia.

Por Silvio Lancelotti*

PANE SECA


Matam
com letras 
estudantes
na seca
Brasília.

Cremam
operários
nos fornos
do Senado

Abatem
os sem teto
nos jardins
floridos.
da Esplanada

Explosão
com hora
marcada

Exclusão
a toda
hora

Um fim
despenca
sobre
o Brasil 
na colômbia

Não é
um jogo.

É a vida
que se 
perde!

Repressão policial à serviço da aprovação da PEC 55 - Portal Vermelho

Repressão policial à serviço da aprovação da PEC 55 - Portal Vermelho: Estudantes, trabalhadores e representantes de movimentos sociais foram reprimidos nesta terça-feira (29), na Esplanada dos Ministérios, em Brasília. Eles estavam mobilizados contra a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 55. A proposta do governo Michel Temer já foi aprovada em dois turnos na Câmara dos Deputados e agora tramita no Senado Federal. A PEC visa a um ajuste fiscal congelando os investimentos da União por 20 anos.

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Ex-presidente da Transpetro alugou carro em setembro de 2012
Data coincide com a do encontro com Temer relatado em delação
Documento tem o nome do motorista que levou Machado a Temer
Procurado, presidente diz que não comentará caso novamente
SergioMachado-AgBr-04dez2013
O ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, que fez delação premiada
O ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado disse que Michel Temer lhe pediu dinheiro de propina em 2012. O suposto pedido foi narrado na delação premiada de Machado. Uma reportagem do Poder360 revela um documento que corrobora em parte a versão de Machado: ele realmente esteve em Brasília na data do suposto encontro (setembro de 2012) e alugou um carro com motorista da empresa Localiza, como dito na delação.
O documento é a nota fiscal do aluguel do automóvel da Localiza nos dias 26 e 27 de setembro de 2012. Esse comprovante foi obtido pelo Poder360 junto à Transpetro por meio de um requerimento usando a Lei de Acesso a Informações Públicas.
Eis a nota fiscal (clique na imagem para ampliar):
SergMachado-edit3-28nov2016A delação premiada de Machado (íntegra aqui) foi homologada pelo relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki, em junho deste ano. O ex-presidente da Transpetro conta ter sido procurado pelo senador Valdir Raupp (PMDB-RO) para “obter propina na forma de doação oficial” para Gabriel Chalita, então candidato a prefeito de São Paulo pelo PMDB.
Mais tarde, o próprio Temer teria se encontrado com Machado e reforçado o pedido de dinheiro ilícito para o candidato peemedebista. O ex-presidente da Transpetro relata que o encontro foi na Base Aérea de Brasília. Machado menciona ter ido ao encontro do então vice-presidente da República em um veículo alugado da Localiza.
O dinheiro (R$ 1,5 milhão, à época) foi doado pela empreiteira Queiroz Galvão à campanha de Chalita, de forma registrada. Embora legais, segundo Machado, os recursos foram entregues apenas por causa de um esquema de propina existente no âmbito da Transpetro.
Michel Temer teria dito a assessores (segundo a “Folha de S. Paulo”) que não se lembrava do encontro com Machado na Base Aérea. Em pronunciamento (16 de junho), o presidente afirmou se tratar de uma afirmação “irresponsável, leviana, mentirosa e criminosa”. Temer também divulgou nota oficial e negou ter pedido dinheiro ilegal.
machado-temer-delacao-edit28nov2016Após a fala de Temer, Sérgio Machado divulgou nota reafirmando a delação. Não usou o termo “propina”, mas reafirmou que Temer sabia tratar-se de dinheiro de origem ilícita: “O vice-presidente e todos os políticos citados sabiam que a solicitação seria repassada a um fornecedor da Transpetro, através de minha influência direta. Não fosse isso, ele teria procurado diretamente a empresa doadora“.
O presidente Michel Temer foi procurado pela reportagem do Poder360. Por meio de sua assessoria, limitou-se a dizer que não comentaria o caso novamente.
A reportagem procurou o motorista Kellyton Mendes Nascimento, que ainda atua na Localiza. Ele se recusou a comentar o serviço prestado a Sérgio Machado e à Transpetro, mas a reportagem apurou que o delator da Lava Jato realmente foi à Base Aérea de Brasília na ocasião.
REGISTROS DESTRUÍDOSA nota fiscal da Localiza é a única prova documental a corroborar, ainda que parcialmente, a história de Sérgio Machado sobre o encontro com Michel Temer. A Base Aérea de Brasília destruiu os registros de entrada e saída de pessoas daquela época. A Aeronáutica alega que não tem obrigação legal de manter este controle após 4 anos.
O QUE PODE SER FEITO
O motorista da Localiza pode, eventualmente, dizer se tem lembrança dessa ida à Base Aérea de Brasília em setembro de 2012. A locadora tem registros do itinerário percorrido pelo automóvel alugado por Sérgio Machado.
Como a Localiza é uma empresa privada, essas informações só serão fornecidas se requeridas judicialmente. Isso pode se dar por meio de um inquérito promovido pelo Congresso ou por iniciativa do Ministério Público.
Poder360 está no Facebook, YouTubeTwitter e Google+.

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Golpistas 'venderam gato por lebre', afirma Dilma ao 247 - Portal Vermelho

Golpistas 'venderam gato por lebre', afirma Dilma ao 247 - Portal Vermelho: A presidenta eleita Dilma Rousseff concedeu entrevista ao jornalista Leonardo Attuch, editor do Brasil 247, nesta segunda-feira (21), em Porto Alegre. Para ela, os seis meses do governo de Michel Temer (PMDB) demonstram que “venderam gato por lebre”. Ela condena o discurso de Temer de que recebeu uma herança maldita, mesmo depois de seis meses no governo. 'Esse discurso não se sustentará'.

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

o Massacre de Volta Redonda



A tropa usa blindados para ocupar a siderúrgica 
 1988 - Dia do Massacre de Volta Redonda 
 O Exército invade a CSN, Volta Redonda, RJ, ocupada por 8 mil metalúrgicos em greve, e mata 3 deles; a greve continua até 23/11.

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Querem encontrar-me?


É fácil.
Estou ao lado 
do oprimido,
ao lado 
do que sofre,
que geme 
sobre 
uma cama,
que chora
diante
da mesa
vazia.

Aí posso ser encontrado.
Encontrar-me-ão 
vestido
com simplicidade
não importam 
as cores
o vestuário.

Basta cobrir.
Para quê mais?
Vejo pessoas
preocupadas
com grifes
em ocupações
como relações
importantes
prestígios.

Tudo sem sentido.
Olham pobres
com desdém.
e a si mesmos
como pérolas
da humanidade.

Observo 
a altivez
destes falsos
"donos"
do mundo,
e me entristeço.

A vida 
é uma 
obra 
inacabada
a ser sempre
construída
olhando
em volta,
solidária.

Ela guarda 
um segredo
escondido
de todos,
a ser
descoberto
obrigatoriamente
por cada
um.

O segredo do amor.
Se despertassem....

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo convocam para o dia 11 - Portal Vermelho

Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo convocam para o dia 11 - Portal Vermelho: Documento divulgado nesta quinta-feira (3) pela Frente Brasil Popular e Frente Povo Sem Medo convoca movimentos sociais e centrais de trabalhadores integrantes das frentes para a construção do Dia Nacional de Greve que realizará manifestações na sexta-feira, 11 de novembro. Os atos são para denunciar as medidas do governo de Michel Temer que retiram direitos sociais e trabalhistas.

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Você sabe o que está por trás das 10 Medidas Contra a Corrupção?

Reflexões esquisofrênicas

Não consigo escrever poemas por lógica, por decisão.

Assalta-me o pensamento vindo dos abismos interiores, e inicio uma tradução não verbal, até adquirir letra.

Não convida, impõe, não pede licença, interrompe.

Apresenta talento que desconheço em mim mesmo, e surpreendo-me.

Não é estranho mas não se submete à minha realidade.

Passa-se como se me visse íntegro.

Aceito de bom grado este eu escondido, remoendo vísceras, estancando hemorragias, antenando canais interiores.

Acostumei-me a estas delícias.

Fazem o contraponto de minhas quimeras cheias de incensos e ambrosia.

Atinge o batimento cardíaco regando compassadamente o cérebro.

Vem quando quer e como quer.

Às vezes é raro, nunca tardio; outras, um aluvião (e eu observando atônito).

Acontece, simplesmente, sem sinos, relógios, em plena cama, no carro, boteco, vaso sanitário, cheio de movimentos peristálticos.

Não pede livros, não se arroja em querer ser conhecido, não me interroga.

Apenas vem.

Posso recusá-lo, mas conto nos dedos as ocasiões de tanta desfaçatez.

De vez em quando consigo reuní-los num corpo único, e lanço sem pretenções.

Dois ou três já me alegram o compartilhamento, ainda mais, se entronizam e saboreiam.

Da mesma forma que vem, vai.

Passa meses ou ano imbutido, no meu subconsciente, ou sei lá em que área seja, mas não está morto.

Despreza (nunca me disse) a forma como vivo, e a trata como a um afogamento, tentendo ressuscitar-me.

Faz o contraponto do que nunca serei.

Por isso o admiro pelo inusitado esforço de vir à tona.

Somo irmãos, desconhecidos e sem convívio.

Ele lá, eu aqui.

Ele noite, eu dia.

Não nos confrontamos, mas nos respeitamos.

Sou eu que não me conheço nele.

E ele quem me conhece por rejeição.

PÓ DAS ESTRADAS: "Provisório e Definitivo"

PÓ DAS ESTRADAS: "Provisório e Definitivo": Ama-me! antes que seja tarde. Uma aflição desconhecida  acompanha-me por todos os lugares. Somente os teus beijos ser...

ENTRE A PASÁRGADA E A REALIDADE.


Estou me despedindo.
de um velho
que teima
em me acalmar.
com um saber
de idade,
conformidade.

Despedindo
despido,
pedinte
do mesmo 
lugar
de sempre.

Não sairei,
não permanecerei
não mudarei
de identidade.

Onde estarei?
Despedida
cansada
de tantas
repetições
que matam
antes do tempo.

Não busco
horizontes,
Conheço-os

Não almejo 
conquistas,
já as tenho,
guardadas,
desconhecidas.

Não mudarei 
estruturas;
estão emolduradas.

Evitarei palavras
discursos,
considerações.

Desviar-me-ei
do beijo
fatal,
imóvel
anestésico.

Viajarei
sem destino
como
um andarilho

Qualquer
estrada
serve.

Porque
as lupas
ampliam
a ordem,
apalparei
às cegas.
a relva
o córrego
a nuvem.

Conforto
que evitei
civilizadamente.

Por enquanto
fica esta amostra
do derradeiro
do inusitado
temído
e desprezado

Fica
o tempo
que sempre
volta
e uma pobreza
que nunca 
acaba.

Fico eu
neste meio
despedindo-me
distonante.

01/11/2016