domingo, 31 de outubro de 2010

O Brasil que sai das eleições



Algumas primeiras impressões podem ir sendo apuradas também, além dos votos que elegeram a primeira mulher e companheira Dilma Roussef Presidenta da República. Vou elencar uma série de percepções:

1) O voto classista, ainda embrionário, distinguindo os ricos (vale dizer as classes médias e empresáriado) de um lado e grandes parcelas do povo da cidade e do campo, de outro. Voto ainda imbuído de uma consciência que não se expressa num confronto, mas começa a mostrar quem é quem, para cada uma das partes na disputa. Esta característica eleitoral vem da redemocratização, e pela primeira vez na História do país, se descola das manipulações e dos antigos votos de cabresto, mostrando um novo horizonte de lutas pela frente.


2) O voto do NE foi decisivo para a vitória, mas é uma faca de dois gumes. Há um pedaço da revolução de 30, reeditado nas urnas, um pedaço de 32 insurgênte e reacionário, um pouco do café com leite conservador. Apresenta-se uma nova elite nordestina que disputa a hegemonia do processo de desenvolvimento, com apoio popular, que se expressa nacionalmente. E há um sul conservador, preterido, culturalmente diferenciado, que sai frustrado deste embate. Mas também há forças novas cheias de disposição para crescer. O país cindiu-se eleitoralmente. Este aspecto tem implicações nacionais futuras que devemos acompanhar de perto e com atenção.
 
3) Grande parte das mulheres não se sensibilizou em ter uma mulher na Presidência da República. Muitas votaram em Dilma, mas parcela significativa das mulheres não viu na candidatura Dilma uma forma de reafirmar e avançar os direitos femininos. Pode esconder-se por trás disso, o velho e carcomido patriarcalismo que ainda tem muita influência no voto feminino. Paradoxalmente, as mulheres podem representar mais o voto conservador que o voto de gênero.

4) O centro-oeste mostrou que o empresariado rural se opôs à continuidade, e influiu na vitória de Serra na região. Isto se deve, em parte à luta ambientalista, que confrontou a pecuária, a abertura de novas fronteiras , agrícolas, os problemas de escoamento de produção, os movimentos sociais no campo, a velha tradição reacionária do agro negócio, etc, tudo aberto aos discursos de direita.

5) A questão religiosa veio à tona, com um virulência nova, resultado do crescimento do fundamentalismo religioso católico e evangélico nas cinco últimas décadas. Agindo por fora da política e diretamente em proselitismo junto ao povo mais pobre, e por influência de seitas americanas pentecostais, mas também pelo pentecostalismo tupiniquim, ignorando à princípio a campanha, partiu depois agressivamente em acusações e em determinar o campo das discussões num âmbito absolutamente restrito, próprio para a manutenção da alienação de seus fiéis, e do voto de cabresto.

6) A oposição sai organizada da derrota e o governo sai fortalecido no Congresso Nacional para a realização de grandes mudanças. Pelas características da radicalização da campanha, é de se supor que haja uma continuidade de embates e que a eleição de fato não acabou.

7) A Mídia marcou presença significativa, expressando abertamente seu apoio à oposição.  A Mídia sai derrotada das urnas, já que participou do lado perdedor.

8) O Governo Dilma não pode considerar um céu de brigadeiro para sua gestão como o foi para Lula. Deve tomar medidas de ação fortes em infraestrutura, saneamento, educação, segurança, e principalmente saúde, pois estes pontos tem flancos abertos que precisam ser resolvidos e seu governo. Deve considerar avançar as conquistas sociais na economia.


Creio que o Brasil precisa do esforço de todos para alcançar mais poder para seu povo, e portanto é fundamental participar e influir no  governo Dilma

sábado, 30 de outubro de 2010

Dilma deu um banho em Serra


O debate da Globo foi o corolário de um processo cheio de truques, golpes achincalhes, e deboches.

Dilma foi transformada em devoradora de criancinhas, abortista e corrupta.

Lembrou-me 1064 e o lacerdismo, pelo volume de calúnias .

Mas hoje, com o formato de debate com eleitores indecisos, o palavreado golpista de Serra teve de ser contido e pela primeira vez na campanha Dilma soltou-se, ficando à vontade, como ele é.

E isto foi ótimo. Dilma deu um banho monumental em Serra, que ao final fez uma despedida pífia e sem graça, consciente que foi mal.

Parabéns Dilma. Teu povo está contigo.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

São João também também se viciou e agora fuma crack.


Agora é a avenida São João, a veia principal do centro de São Paulo, onde o crack é consumido naturalmente na calçada, próximo a Estação Marechal, em plena 10:00 hs da manhã deste 29/10/2010.

Aí o mocinho riquinho vem com a conversa de que vai acabar com as drogas no país.

Mas, se não acaba nem no seu quintal; aliás, quintal não, é na varanda mesmo, na cara de todas as famílias que passam pela avenida São João, como é que ele quer acbar no país?

Lembrando.....alguém viu Dona Mônica Serra por aí? Depois da reportagem sobre seu aborto, ela abortou todas as aparições com seu marido, e saiu antes do tempo, das manchetes, sem esperar o nascer da apuração dos votos.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Dilmaaaa!!!!!! pesquisas refletem poder da militância


Esta é a hora. Indo pegar o metrô pela manhã deste 27 de outubro eis que recebo um exemplar do Jornal Em  Questão, com a manchete "SERRA CANDIDATO DOS RICOS", sendo fartamente distribuído na Estação Pça Marechal, aqui em sampa.

. Todo mundo pegava e lia. Hoje mesmo as mulheres fizeram manifestação no centro da cidade. a militância acordou e o reflexo se faz sentir, isto é, as pesquisas só subirão, porque não há pesquisa que vença a militância. E não é que as pesquisas mostram crescimento da galega.

Está começando a fazer a diferença.

Assistam diaramente a grande novela " O acordar a militância".

Vou contando pr'a vocês estes capítulos finais aqui da fortaleza da Barra Funda.

E Viva o Povo Brasileiro!!!!!!!!!!

domingo, 24 de outubro de 2010

Conflito à vista



Seja quem ganhar esta eleição, uma situação vai se tornando cada vez mais visível: estamos entrando em um novo período das relações de poder.

A acidez que o candidato da oposição procura dar à campanha, usando de "todos" os recursos da mídia, além de "questões morais" e religiosas, manipulando mesmo igrejas evangélicas e a Catolica, mostra que este clima não terminará no dia 31/10/2010.

A política de "vencer a qualquer preço" que a oposição está colocando na agenda, obriga reação firme da candidatura  Dilma. Isto desnuda a política de alianças costurada pelo governo com suas nuances, desde os verdadeiramente fiéis em tudo, até os que ali estão por conveniência.

É possível notar esta distinção, mantendo a todos no mesmo bloco, por consciência de que, alterações deslocam estes apoios para o outro lado, o que é pior. No seu livro "A Arte da Guerra"  Sun Tzu, traz ilustrações muito interessantes a este respeito, em como lidar com o inimigo.

O próprio Mao Tsé Tung, em seus escritos, deve ter se baseado nesta obra quando afirma, baseado em sua experiência de lutas, que muitas vezes é mais seguro manter o inimigo por perto, do que  não vê-lo, e ser surpreendido, quando menos se espera.

Acredito, com sinceridade que a Igreja Católica e as Igrejas Evangélicas deram um tiro no pé ressuscitando a questão do aborto. Se num primeiro momento esta questão desgastou muito a candidatura Dilma, que surpreendida, pois nunca em 8 anos de governo se tocou nisto, repentinamente  tornou-se a "assassina de criancinhas", favorecendo o salvador Serra na fatura deste "genocídio petista".

Creio que, agora, em qualquer circunstância, há autoridade moral de todas as forças envolvidas nesta questão, para apresentá-la no Congresso Nacional, reivindicando um Plebiscito para a população decidir. E , pasmem, questão levantada pelas igrejas, para descontruir a candidatura Dilma. É o efeito bumerangue, que tem chances de voltar.

Serra não esteve em nenhuma festa de comemoração do 1 de Maio de 2010. Por escolha pessoal de reduzir o arco de representação, Serra e o PSDB, rodeoaram-se mais do empresariado, deixando uma treva para com a sociedade. Assim, os sindicatos, principalmente as Centrais Sindicais se uniram, e  tiveram conquistas consideráveis durante o governo Lula, onde prevaleceu o diálogo. Tem sido anos de concentração de poder para o movimento social.

Os sindicatos não ficarão parados vendo suas conquistas serem retiradas, se houver alteração nas relações de poder. Por outro lado, vencendo Dilma, devemos considerar que seja possível uma alteração na conjuntura mundial, não mais passando propostas que contemplem conjuntamente setores produtivos e classes trabalhadoras. Assim, é dormir com um olho aberto...

É de se ressaltar o ressurgimento do ódio de classe deflagrado pelo empresariado descontente, sobre o governo e a população. A possibilidade do golpe foi retirada do arquivo morto, e convites tem sido sinalizados aos militares. É assunto que merece registro.



Olhando com lupa a História de nossa República pendular, notamos períodos de vida democrática e outros de autoritarismo. São tempos de duração longa, onde gerações inteiras viveram livres ou sob a botina e a repressão.

Se o Governo continuar caminhando na construção de uma experiência popular, é evidente que novos passos deverão ser dados, para garantir a ampliação do mercado interno, com uma nítida opção pelo crescimento econômico com trabalho e distribuição de renda.

Mas também com ampliação da Reforma Agrária, com o fortalecimento da presença estatal no setor financeiro, e a recuperação de empresas que foram entregues ao capital internacional. A questão da miséria é cláusula Pétrea, que precisa ser perseguida até ser arraigada.



Foi o Bolsa família que fez o povo perceber que o Governo Lula era realmente um governo popular, por ter feito uma escolha pelos mais pobres.

Se a direita ganhar, o movimento social irá para as ruas, e viveremos tempos de lutas e riscos de grandes retrocessos politicos, pois o Governo irá desconstruir as conquistas, e isso terá suas consequências. E, como penso que será, com a vitória de Dilma, novos desfios se colocarão, para alcançarmos novos patamares de conquistas, sendo que as forças conservadoras agirão com muito mais virulência para impedir. Dizendo claramente, tentarão o golpe.

Assim, o panorama não creio que seja tão favorável, como o foi nos 8 anos de Lula. Vejo que deve-se avançar na política do Brasil para os brasileiros, versus o Brasil para as elites. Isto exigirá uma presença maior e constante do movimento social.

Fico por aqui.

  

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Serra e as sardinhas paulistanas

Se for para exportar as experiências do metrô paulistano para o restante do país, ai, ai, ai....

Quem pega o metrô na Pça. da Sé diariamente, no horário de 06:15 até 08:30 em direção ao Jabaquara, tem a sensação de estar em uma lata de sardinha.

Quem sai à tarde para a zona Leste pela Estação Mal.Deodoro faz fila que vai desde as catracas até a rua, e já na plataforma, vê passar vários trens vazios, que vão atender a esgotada Sé, enquanto esperam e depois entram em trens lotados. Na Zona leste não é diferente. O exemplos não acabam

É tão desproporcional o número de passageiros para a quantidade de trens disponíveis, que o movimento não vence a demanda.

A situção chega a tal ponto que os administradores da estação Pça da Sé são obrigados a desligar as escadas rolantes, obrigando o público a descer à pé até a plataforma de embarque. Se as escadas rolantes continuassem funcionando, haveria superlotação de passageiros na plataforma, provocando grande risco de queda de pessoas nos trilhos do trem.

Fizeram muito poucas estações no período de Governo Serra, todas terminadas a toque de caixa ao final de seu mandato, provocando acidentes que ocorreram na construção das novas linhas, com mortes,e   desapropiações com prejuízo de muitos imóveis.

E não falam o principal que é:

O METRÔ DE SÃO PAULO ESTÁ SUPERADO. NÃO É MAIS SOMENTE O CASO DE CONSTRUIR NOVAS LINHAS, POIS TODAS AUMENTARÃO AINDA MAIS O ESGOTAMENTO DAS ESTAÇÕES MAIS CENTRAIS. DEVE-SE AMPLIAR AS ATUAIS ESTAÇÕES, PORQUE O METRÔ JÁ NÃO ATENDE A DEMANDA.

Hoje todo mundo parece sardinha em lata, comprimidos dentro dos vagões, um respirando na cara do outro. Povo sardinha, que não fala nada. Povo calado e acostumado. Me vem à memória os bois indo para o matadouro. é assim que sinto o passageiro do metrô paulistano.



Fizeram pouco, e quando fizeram colocam uma tecnologia futurística, para fazer a multidão pensar como será bom, enquanto se apertam no presente. Queremos solução , não embromação.

Ah, o candidato passeou de metrô fora do horário de pico nas propagandas, ou encenou ficar de pé no vagão, como se existissem espaço vazio. Me poupe,  Zé. Vai enrolar outro


Não passarão!!!

Já está surtinho efeito. A máscara está caindo, e mocinho "do bem", está virando o capeta. A cabeça dele já tem dois calos, um de uma batida que ele mesmo se deu, numa porta, bem mais forte que arranhão de um papelão.

Encontrei no aeroporto um empresário pernambucano, dono de um Call Center, dizendo que votaria em Dilma. Disse que conhecia Serra e que o danado era muito  pedante, e não gostava que se encostassem nele.

Mas a classe média paulista hic...

Passando pelo Rio de Janeiro descobri que o apoio a Dilma é muito grande, bem maior que em São Paulo.

Hoje, 21, um bandeiraço no centro do Rio divulgava o nome e dilma, e os taxistas diziam haver passeata de Dilma.

Agora está pegando na veia da militância. Serra se prepare, que vai acabar seu reino de calúnias. Mas não devemos esmorecer até o final da apuração.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Votos do 2 turno dividem ricos e o povo

Retirando o nordeste onde Dilma tem, como resultado da ação do governo Lula na região, apoio amplo, parece que no restante do país vai se caracterizando uma grande diferença, onde de um lado estão os setores empresariais e as classes médias de um lado, e os setores populares de outro.

Isto torna, contrariando a esquerda "independente", a disputa uma pré estréia de um embate de dois grandes blocos de poder, em disputa da governança. Os mais ricos, nunca digeriram o peão presidente, e só o aceitaram por uma flexão extenuante de Lula, numa enorme costura regional e nacional.

Mas bastou chegar a hora da eleição e desembarcam rapidamente do barco como ratos que buscam fabricar um naufrágio.

A lição que se tira é de que de fato existem projetos bem distintos em jogo. Não está, nas intenções do grande empresariado, o desejo por um Estado forte, que exerça um planejamento sobre a economia e favoreça o processo de distribuição de rendas.

Basta ver que o Bolsa Família fois sempre mal digerido, sob a alegação de que "alimentava a vagabundagem", linguagem tipicamente elitista e industrial, de quem se acha dono da "mão de obra".

Já o povão, vai despertando seu sentimento de bloco, onde já se conscientiza de um noção de projeto popular de longo prazo. Tenho  a impressão de que isto ainda é bem incipiente, exigindo um enorme esforço de liderança de Lula, a compensar este estágio uterino (para não fugir da discussão do aborto).

Onde vai desembocar, não temos a varinha de condão, mas sabemos que há um processo em andamento que não pode mais ser desatado, ganhe quem ganhar (espero que seja Dilma, para o bem do Brasil)

O candidato das forças das trevas,  vocifera ininterruptamente em acusações imaginosas e de má fé, ao mesmo tempo em que busca mostrar-se como paladino da moralidade,  asendo que sobre ele paira a suspeita de acusação de aborto, com sua esposa, durante o exílio.

Alías, alguém tem visto por aí Dona Mônica Serra, que esbravejava ter Dilma matado criancinhas. Depois que a Folha noticiou o aborto (e não voltou mais a falar, nen ninguém mais), ninguém mais a tem visto. Estará em novo exílio, ou auto exílio, ou providencial exílio.

Bem, a questão do aborto não era a questão do aborto, mas a forma de se denegrir, de se acusar, de se desacreditar, usando-se um mote moral, que a elite nem liga, pois ela mesma faz muitos abortos com especialistas em clínicas de ótimas condições, de se romper esta divisão social do voto através do condicionante religioso. Em boa parte sutiu o efeito desejado.

Jesus diz que "os filhos das trevas são mais espertos que os filhos da luz". É preciso saber ser esperto também com estes filhos das trevas modernos, neo romanos, calvos, de olhares mortos, e expressão desoladora. Parecem à primeira vista bonzinhos e inofensivos, mas se os deixamos tomar conta do ambiente, deterioram tudo e põem a casa abaixo.

Atenção porque o momento exige ação de todos, e o risco de retrocesso é real. Mãos à obra e elejamos Dilma Presidente, com os votos populares.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Murina da Silva, desce do muro!

O PV, partido alternativo da direita brasileira acaba de se declarar "neutro". Imagino quanto tentaram fazer Marina aceitar a candidatura Serra. Num esforço saudosista, lembrando-me de que um dia Marina foi progressista e participava do governo Lula, posso me aventurar  em pensar que ela pode ter ameaçado apoiar Dilma, caso o PV desembarcasse com Serra. Concluo minha imaginação política com uma negociação a quatro paredes, cheias de musgos e lesmas, o lado feio do ecologismo, onde a carcaça que admira tucanos abriu mão de Serra em público se Marina abrisse mão de Dilma também. Daí o novo nome de Marina.
À partir de hoje, a bonitinha chamar-se-á Murina.

ALIÁS, CADÊ DONA MÔNICA SERRA QUE ACUSOU DILMA DE MATAR CRIANÇINHA E AGORA FOI DENUNCIADA COMO TENDO FEITO ABORTO COM O SERRA DURANTE O EXÍLIO. ESTARÁ EM NOVO EXÍLIO ELEITORAL?

sábado, 16 de outubro de 2010

Peão de Black Tie, só para sobreviver

Hoje, sábado, 16 de outubro de 2010, esperando o ônibus  no maior calor, para dirigir-me ao Hospital das Clínicas, setor de Ortopedia, onde faço a Pastoral da Saúde, em visita aos enfermos, assisti uma cena que mostra o quanto o homem se submete às humilhações para sobreviver.

Um senhor de uns 45 anos, aproximadamente, estava vestido com um black Tie (daqueles da Móoca, é verdade, mas Black Tie), com gravatinha borboleta e tudo , no cruzamento da Avenida Pacaembú na altura do memorial da América Latina.

Fazia divulgação de um folheto de lançamento de conjuntos comerciais da chamada "SP Oeste/Pacaembú". Chique do úrtimo, naquele calor de torrar.

Era preciso dar uma demonstração de que o lançamento é para gente chique, por isso o Black Tie em cima do coitado. Ou não? Porque, de fato ele não demonstrava aversão ao tratamento, e quem sabe até se sentia bem, como se estivesse no centro das atenções...

Os motoristas dos carros que aguardavam a abertura do sinal, abriam as janelas e recolhiam os folhetos, entre surpresos e solidários com aquela pessoa tão diferenciada, ali, do lado de fora.

Um casal de jovens, ao meu lado no ponto, aguardando também o ônibus, compartilharam comigo esta observação, e num dado momento o rapaz disse que já tinha feito a barba para manter um trabalho.

Enguli seco, porque também eu já me adequei na vestimenta, na barba, etc, só para me manter uma imagem acessível e aceita.

Somos imagens estranhas a nós mesmos, por falsa adequação social, fazendo de tudo para sobreviver.

Somos tantos, que nos perdemos numa esquisofrenia inusitada, e socialmente aceita, estranho não?

À noite
vou tirando
máscara atrás de máscara.

Quando termina,
não tem ninguém.

Talvez um
outro eu,
ou simplesmente
um outro.

Ficamos por aqui.

É a volta do pau de aroeira no lombo de quem mandou dar

8 anos de governo Lula e não houve nenhuma mudança na questão do aborto, mantendo-se o que a legislação determina nestes casos.

Mas não, o fundamentalismo religioso de diversos matizes desde pastores jurássicos gritões como Silas Malafaia, até a TFP mais a Renovação Carismática católica, e a regional sul 1da CNBB,   RESSUSCITARAM a questão do aborto, com o intúito explícito de denegrir a imagem de Dilma.

Agora sim, eu creio que eles conseguiram também colocar a discussão do aborto na agenda do dia.

Tenho uma sensação que o debate sobre o aborto está colocado, e no próximo governo, o Congresso Nacional, e não a Presidência, porque, de fato é no legislativo esta questão será colocada,  ressuscitaram um tema morto e lhe deram vida.

Paradoxalmente, Serra, que se baseia na pressão pelo apoio das igrejas,  defendeu a união civil entre pessoas de mesmo sexo, dizendo que o casamento é com as religiões, mas não a união civil. resultado: deu uma cabeçada na porta ao sair desta entrevista. Agora ele sai correndo onde tiver festa de padroeiro, como se fosse o maior beato

E a denúncia de abôrto de Dona Mônica(?) durante o período de exílio, quando, segundo duas testemunhas que eram suas alunas de dança, ela declarara ter feito. Logo ela que disse que Dilma matava criancinhas!.

É a volta do cipó de aroeira no lombo de quem mandou dar.

Será que Serra compartilhou com ela a decisão sobre este aborto?

Ajudou-a naquele momento difícil, que segundo as testemunhas eles passavam, de dificuldades financeiras?

Bem, Jesus disse que "Verdade vos libertará". Vamos buscá-la porque ela está vindo à tona.

Basta perceber, retirando a venda de falsidades que querem cobrir nossos olhos e mentes e corações.

 Vamos ter esperança.!

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

EM SP DUQUE DE CAXIAS AGORA FUMA CRACK

Costumo correr, quase que diariamente, uns dez quilômetros, para manter a forma física, já com uma idade meio avançada, 61 anos. Saio de casa na Barra Funda, e sigo pela Avenida Rio Branco. Atravesso a Praça Princesa Isabel, onde localiza-se a estátua do nosso grande pacificador, o DUQUE DE CAXIAS.

É difícil falar sobre as condições das praças de São Paulo, principalmente as do centro da cidade, sem tem que fazer lamúrias. É que o abandono é total. Lixo acumulado, ponto de consumo de drogas, sujeira, descaso. Depois dizem que estou fazendo campanha eleitoral, mas como alguém pode querer melhorar outros lugares, se não foi capaz de arrumar a própria casa.

Hoje, 14 de outubro de 2010, ao passar pela praça Princesa Isabel, onde fica o nosso patrono da unificação e da pacificação, deparei-me com vários grupos de pessoas abandonadas consumindo abertamente e sem o menor disfarce, seus cachimbinhos de crack.

Eram jovens já esqueléticos, envoltos em cobertores, e cheirando a fezes, consumindo esta droga tão destrutiva. Pensei comigo - "Vou parar a primeira viatura da polícia e fazer um alerta". Sim, porque naquela praça deixaram de frequentar as famílias, as mães que trazem seus bebês para tomar um pouco do nosso sol avermelhado.

Já pelo lado do Largo do Paissandú encontrei uma viatura da polícia, e expliquei o caso. A resposta que me deram era e que eu deveria dirigir-me para a regional da polícia que abrange aquela praça, e eles eram de outra regional. Daí disse-lhes que, para mim, aquele não era propriamente um problema de polícia, mas de saúde pública. O polícial me disse: prestem muito a atenção, o policial me disse que era NECESSÁRIO HAVER VONTADE POLÍTICA PARA SE RESOLVER O PROBLEMA DO CRACK.

Entre esta e outras, desviando ds problemas, sem enfrentá-los é que os demotucanos vão levando com a barriga a nossa metrópole. Mas como as pessoas gostam de se enfurnar em seus partamentos e não estão nem aí para o que acontece em sua cidade, então também o poder público nao faz nada. E podem exportar este não faz nada para o Brasil inteiro. Olhem lá!

Estou sentindo frio em minha alma, desta metrópole tão sem solidariedade.
Assim o crack vai continuar. Pois as pessoas não estão nem aí. Olhem bem Até o Duque de Caxias não escapou. Agora o crack espera os teus filhos para abraçar. O Netinho denunciou, e o Aluísio virou pai do combate ao crack que ninguém combate. Puro blábláblá eleitoral. Enquanto isso a caravana passa.....

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

REGIONAL SUL 1 DA CNBB TORNA-SE PORTA-VOZ DOS RICOS

Quem diria, que um setor da Igreja Católica, que concretamente responde pela Regional Sul 1 da CNBB pudesse reacender aquela chama golpista, como a que precipitou o golpe militar de 1964, com a famosa "MARCHA COM DEUS E A FAMÍLIA PELA LIBERDADE", aqui mesmo em São Paulo.  Resta lembrar: Liberdade de quem? das elites continuarem explorando o povo? Liberdade para o povo dormir na sargeta?

São Paulo, cidade que concentra o poder da elite brasileira (não é atoa que os tucanos sobrevivem aqui há anos), estabeleceu fortes laços com alguns Bispos da região, a ponto de influir sobre a ética episcopal. Sim, porque a sintonia é com os ricos, os poderosos, e não com o povo humilde das periferias ou das favelas.

A CNBB nacional é obrigada a todo instante ter que corrigir esta ânsia bajulatória da Regional Sul 1, mostrando que a Igreja deve ser apartidária. Mas não, a Regional Sul 1 elegeu o PT como assassino de criancinhas, numa época em que nunca se colocou a questão do aborto em evidência. Nítida jogada eleitoreira, a serviço dos ricos, a quem eles servem de bom gosto.


Em seu site dizem:

"Somos um órgão da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil - CNBB, que congrega as Dioceses e Bispos, que cumprem sua missão episcopal no Estado de São Paulo, tendo por finalidade:



Promover a pastoral orgânica nas Igrejas Particulares do Regional;
Estudar assuntos de interesse das Igrejas Particulares do Estado de São Paulo;
Atender a solicitações de estudo e aplicar as orientações emanadas da Santa Sé, da Assembléia Geral e de outros órgãos de cujos préstimos se utiliza;
Determinar os participantes de suas reuniões;
Apresentar candidatos ao episcopado;
Interessar-se pela situação dos Bispos Eméritos, residente no Estado de São Paulo.


OBJETIVOS DO REGIONAL


Propiciar melhor a caracterização da identidade da Igreja no Regional Sul 1, como presença solidária, especialmente na educação, na reforma agrária com conseqüente política agrária e no desemprego, atendendo aos desafios deste tempo assumindo a sua vocação de comunidade de discípulos e como sociedade formada por cristãos atuantes no campo sócio-político-econômico.


Colaborar para efetiva inserção da Igreja do Regional Sul 1, no contexto das quatro exigências da evangelização inculturada do Projeto Rumo ao Novo Milênio (RNM).


Levantar dados sobre a participação da Igreja do Regional Sul 1 em atividades que caracterizam o testemunho, o serviço, o diálogo, e o anúncio.


Promover encontros para troca de experiências e animação das dioceses para a realização das atividades propostas no projeto.


Capacitar presbíteros, consagrados(as) e principalmente leigos.

Oferecer subsídios para revisão da Evangelização no Estado de São Paulo, abrindo perspectivas à evangelização inculturada dentro da atual realidade estadual. "


Como podem ver, rasgam seus próprios princípios, com ficou marcado em amarelo, pois sequer se perguntam:

O desemprego no governo Lula caiu?

Houve vontade política em avançar a reforma agrária no Brasil com Lula?

Houve respeito com o movimento popular que luta pela terra?

Houve investimento em educação, em escolas de formação técnica?


Não nada disto é citado, mas retiram das tumbas, dos escombros, o tema do aborto, e cegos, passam a conceber este como o único tema de campanha.

Foi assim com Franco na Espanha. Bajularam, bajularam, e depois quando vieram os republicanos, reclamaram, considerando os republicanos como terroristas, enquanto Hitler apoiava com armamentos o regime franquista.

Atenção bispos da Regional 1: 

O BRASIL NÃO É JOGUETE DE BAJULADORES DE RICOS!

NÃO É TARDE PARA ARREPENDEREM-SE, E VOLTAREM-SE PARA OS POBRES !

LEMBREM-SE DA MANJEDOURA, E NÃO DOS PALÁCIOS!

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

RESPONDER A TODA CAMPANHA DIFAMATÓRIA CONTRA DILMA

O que se viu neste final de primeiro turno foi o surgimento dos "paladinos da moralidade"

aparecerem como se fossem os salvadores da pátria, contra os "comedores de criançinhas", que somos nós.

 Lembro-me de que, com 14 anos de idade, fui dispensado do colégio porque estava acontecendo o golpe militar. Lá naquela época, já diziam que os comunistas comiam criancinhas. Ora, façam o favor de irem me procurar na esquina, para ver se me encontram.

Estas raposas velhas e carcomidas, diabólicas, de mente congelada, e entregues a um sentimento de raiva à vida, que não sabem nada sobre a vida, de repente querem dizer qUe são defensores da vida.

NÃO! E NÃO!

 São exatamente o inverso, são defensores da morte

NECRÓFILOS como Hitler, vivem a praguejar contra o povo e seus representantes. Quantos eles já não assassinaram na história da humanidade. E aí estão novamente, desfilando de salvadores da pátria.

NÃO E NÃO

Estes restos de ser humanos, estes farsantes travestidos de anjos, jogaram o Brasil em décadas, décadas de ditadura militar, anulando, matando, e frustrando o país em sua trajetória histórica.

Agora é hora de responder a todo achincalhe, mandar e-mails para padres e bispos, pastores, seja quem for, que se achem porta vozes  dos ricos.

Nenhuma carta sem resposta
Nenhuma falsidade sem resposta

SOU CATÓLICO E VOTO EM DILMA 

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

PROTÓGENES É O ALVO, NO ATAQUE A TIRIRICA

Cada vez convenço-me mais de que o alvo principal do ataque  é o Delegado Protógenes Queirós, que obteve quorum necessário para se eleger na coligação do palhaço Tiririca. Tenho pensado porquê estão tão interessados em cassar o Tiririca. Aí, lembro-me de que o delegado Protógenes que tem sido perseguido intermitentemente sem parar, pode ser a resposta. Um procurador de nome Maurício antônio Ribeiro Lopes está fazendo todo o tipo de tentativa de descredenciar Tiririca. Como grafólogo, a análise da criminalística, sobre a carta escrita pelo cômico, não permite afirmar categoricamente que o candidato é analfabeto. Portanto, estão querendo criar um fato do nada. Atenção a todos. Aí tem.... Aí tem uma tentativa de cassação branca. Olho aberto.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

SOU CATÓLICO, VOTO EM DILMA

Passo material que recebi de amigo católico que quer se distinguir desta grande influência anti povo, elitista que tomou conta  de parte de bispos e clérigos de São Paulo, ao arrepio das declarações de nosso Cardeal Dom Odilo, que já havia exposto neste blog. É um testemunho pessoal de declaração de voto. Leiam.

Sou católico, voto em Dilma


Nasci e fui criado numa família de fortes raízes católicas. Meu pai foi Congregado Mariano e minha mãe era do Apostolado da Oração. Participei de grupo de jovens e por muitos anos fui catequista de primeira comunhão. Da mesma forma que recebi a herança da fé, a transmito para minhas filhas.

Aprendi, no seio da Igreja, que a política é a forma suprema da caridade. Um espaço de disputa de idéias de como promover o bem comum, ou seja, como distribuir o dinheiro que pertence ao povo.

Por muitos e muitos anos a hierarquia da Igreja esteve ao lado de determinadas idéias de como organizar a sociedade fortemente influenciada pela divisão de mundo entre capitalistas e comunistas dos anos cinqüenta a oitenta do século passado. Porém isso contrastava com a condição de penúria que o povo vivia, com a forte concentração de renda e o privilégio de alguns poucos.

O Espírito Santo soprou os ventos da renovação e a Igreja assumiu sua condição de profeta da esperança. E a Igreja fez a opção preferencial pelos pobres. Figuras como Dom Hélder Câmara, Dom Paulo Evaristo Arns, Dom Pedro Casaldáliga, Padre Josimo, Irmã Doroti Stang, e tantos outros arriscaram suas vidas e em alguns casos tombaram em defesa de um novo país, onde a justa e a fraternidade estivessem presentes.

Um país em que as pessoas não fossem presas ou torturadas por poder expressar suas idéias e tivessem condições de tomar café da manhã, almoçar e jantar. Que pudessem estudar, ter acesso a atendimento básico em saúde. Enfim, ter um mínimo para ter dignidade.

Essa introdução explica meu posicionamento político. Como disse, aprendi na Igreja que a política é a forma suprema da caridade, e o governante deve primar-se pela defesa intransigente da vida.

E o que é defender a vida no Brasil de hoje?

É continuar o processo de transformação social que o governo que se encerra iniciou, que introduziu milhões de pessoas nos estratos superiores da sociedade. É direcionar bilhões de reais para grandes obras que garantam o acesso a água tratada, coleta e tratamento de esgoto. É estimular os setores dinâmicos da economia para gerar milhões de empregos e distribuir renda para quem estava sem esperança e sem dignidade.

Porque ninguém aprende a pescar se não pode comer. Portanto é preciso dar o peixe da bolsa família e depois ensinar a usar a vara da pescaria, da educação e qualificação profissional. Quase toda nação desenvolvida teve em algum momento de sua história de fazer essa experiência.

Por isso voto em Dilma. Ela é a garantia que esse processo não será interrompido e que a construção do Brasil moderno e desenvolvido vai ter continuidade. No entanto sei que alguns temas tornam alguns cristãos, católicos e evangélicos, inseguros quanto aquilo que o governo da Dilma faria. É o caso do aborto e da liberdade religiosa.

Nos últimos dias muitos mitos e inverdades assolaram os ambientes religiosos afirmando que “Dilma é abortista” e que “fecharia igrejas” ou que “nem Jesus Cristo tiraria sua vitória nas eleições”. Alguns padres, pastores e até bispos chegaram a determinaram a seus fiéis que não votassem em Dilma.

Para isso retomo a máxima do Evangelho: “Dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus”.

A quem tem dúvida sobre o carater e o comprometimento de Dilma com a vida e com a continuidade da obra que o presidente Lula iniciou, proponho que ouça o que ela tem a dizer e decida por si mesmo, pois a democracia pressupõe a liberdade de decidir por si o que se deseja para a sociedade.

Dilma tem o mesmo comprometimento do presidente Lula no respeito a vida e a liberdade religiosa. O presidente Lula nunca propôs ao Congresso a legalização do aborto e retirou a menção a isso do Plano Nacional de Direitos Humanos (a última legislação do tema são protocolos assinados por José Serra quando era Ministro da Saúde e não acuso Serra de ser abortista, porque esse não é a discussão essencial da sociedade brasileira, pois é sabido por todas as forças políticas da ampla maioria contra o aborto e eutanásia e os movimentos que o defendem situam-se em segmentos específicos e minoritários).

A grande questão nesse segundo turno é como nós queremos o Estado brasileiro. Fazendo a opção preferencial pelos pobres mais pobres e destinando cada vez mais recursos para os “de baixo” , com obras, programas sociais, geração de emprego ou destinando os recursos para a defesa do sistema bancário, eliminação do risco dos grandes empresários e favorecimento dos grupos multinacionais. Essa é a verdadeira discussão que se esconde sob temas que forças conservadoras jogam para nos assustar e que de fato fazem diferença na vida das pessoas de bem.

Se concordar, subscreva e passe adiante.

Luiz Carlos de Lima

muriqui@ibest.com.br

TIRIRICA E OS LETRADOS


O cômico TIRIRICA acaba de virar a nova "revolta" da society, inconformada com esta democracia tão demodê, com cheiro de povo, estes "profissionais menores", como os cômicos, os cantores, os pagodeiros...por extensão várias profissões de nível médio.

Um dia destes em uma missa, no dia da eleição, o padre falou que não era bom votar em religiosos e cantores. Quanto aos religiosos estou de acordo, embora ache difícil se estabelecer critérios proibitivos desta participação.

Mas impedir cantores, então incluamos também os carpinteiros, e eliminamos qualquer possibilidade de Jesus Cristo se candidatar.

Por trás desta perseguição está uma velha concepção que diz que "somente os formados em curso superior é que podem ser políticos de verdade".

Velha, porque Abraham Lincon, Lula, mais recentemente Netinho, e outros já viveram e vivem este tipo de preconceito.

Velha, porque está fincada na política desde os primórdios da dominação das classes mais ricas, que deveriam ter a "verdadeira representatividade".

As experiências mostram que muitos letrados cometeram muitos erros em suas gestões tanto políticas, quanto profissionais, e nem por isso foram criminalizados em seus erros. Fernando Henrique privatizou a Petrobrás; perdão, vendeu as ações da Petrobrás na bolsa de Nova York e nada.

 Muito pelo contrário, muitos continuam por aí com seus orgulhos e suas prepotências.

Por isso o TIRIRICA incomoda. Ele é um espelho real de nossa democracia, que ninguém quer ver, o lado jocoso, que desanca os grandes, com sua humorada presença, o lado do protesto primitivo, da política que aí está, distante do povo.

Se ele fizer o que prometeu, isto é contar o que os deputados fazem no congressso, terá feito um grande serviço, pois arrancaria muitas verdadeiras tiriricas de lá, que empesteiam, atravancam, imobilizam, prejudicam os direitos do povo, em seus lobby's, representando de fato setores financeiros, industriais, latifundiários, internacionais,etc....e não os pequenos, que estão à mercê dos poderosos.

Agora sobressai-se um Promotor, de nome Maurício A. R. Lopes, buscando escarafunchar  a formação educacional do TIRIRICA.

À sombra da milhionária votação de TIRIRICA é fácil evidenciar-se.

Haverá de fato Espírito Republicano nesta intervenção? ou Projeção política no Ministério Público? ou Influência político partidária? Está movido de boas intenções? Espero que sim.

Penso comigo mesmo, o que é pior: um candidato como o TIRIRICA, que pode passar uma mensagem de despreparo, o que não é crime eleitoral? Ou alguém usar os estudos de outros, como se fosse dele, em seus próprios trabalhos?

Um pode ser desqualificado por baixo, porque é um palhaço; mas não pode também haver uma desqualificação por cima, ao se plagiar pensamentos e textos de outros?

Existem tantos por aí, que se utilizam de materiais de outros em seus próprios documentos e livros, tendo sido até processados por isso, sem que, no entanto, possam ser condenados por esta transgressão grave.

O fundamental não é a letra, mas a ética, a fidelidade aos interesses da maioria.

O fundamental que deve ser buscado no TIRIRICA não é se ele é semi alfabetizado, mas se ele tem ética e compromisso com estes milhões de votos. E isto ele terá como provar em seu mandato reconhecido por milhões de eleitores

A justiça brasileira, imperial e tardia, que se nega  posicionar-se na definição dos fichas limpas, empurrou o problema para debaixo do tapete, pensando que nada aconteceria. Postergou, postergou, postergaou...

Agora existem vários candidatos que estão sub judice, sem que lhes sejam computados os votos, após participarem das eleições com direitos resguardados pela indefinição do judiciário. O pior que se poderia esperar era o judiciários subtrair os votos populares, tornando-se um super eleitor sobre nós. Uma ditadura judiciária. E como eles sonham

Tudo está aí, para ser visto.

O Judiciário, neste momento, se arvora a passar por cima do voto popular.

Talvez até a eleição de Geraldo Alckimin no primeiro turno possa estar também sub judice, pois o seu coeficiente acima de 50% pode ser menor do que os votos  daqueles que se elegeram sub judice, por exemplo o Maluf. E aí?

 Eta justiça tardia (eu não falei covarde).

OS EUA SÃO A BESTA DO APOCALÍPSE?

Hoje muitos enxergam a proximidade do apocalípse sobre a Terra, conforme escrito no último livro da Bíblia, através da dominação americana, principalmente, no que se refere ao governo mundial único, e a adoração do deus dinheiro.

Vale a pena ampliar a nota de dólar e analisar as explicações que estão abaixo.

Acima está a verdadeira simbologia do símbolo.



Uma pirâmide cujo cume (a elite) é esclarecida pelo olho da consciência que o vê tudo e domina uma base cega, feita de tijolos identicos (a população).

As duas menções em latim são muito significativas. "NOVUS ORDO SECLORUM" significa, "nova ordem para os séculos dos séculos". Em outros termos: Nova Ordem Mundial. E "ANNUIT CŒPTIS" significa : "nosso projecto será coroado de sucesso .

Franklin Roosevelt em 1933 ordenou que se introduzisse esse simbolo nas notas de 1 dólar.

Roosevelt foi presidente dos EUA, um dos 13 presidentes que eram Maçons.








segunda-feira, 4 de outubro de 2010

APURAÇÃO: MISTO DE DOR E ALEGRIA




Após meses de intensa campanha, com esforços e embates, chegamos ao fim do primeiro turno, com gosto de fim. Dizer sobre a vitória de Dilma é incontestável, sem que vejamos na candidata o gosto da vitória.

Dizer sobre os deputados e a senadora eleita pela amazônia é alegria, mas não eleger Netinho foi uma tristeza; com dizem os médicos,   um mal súbito.

Assim é a democracia: caminhamos enquanto os outros também caminham.

Mas valem algumas reflexões livres, sem segundas intenções, mas com o zelo de querer melhorar(desculpem se não as faço a quatro paredes):

1) Deixamos a direita bater, sem responder, o que se explica pelo complexo de gigantismo, de se achar que, como vou ganhar, não é o caso de responder. Agora, no segundo turno, deve ser assim: bateu? levou!

2) Não usamos de esperteza, de encontrar os imensos erros cometidos na administração dos tucanos em São Paulo e utilizá-los para desmascarar as suas propostas para o país. Como podem propor coisas que eles não fazem em casa? Temos que denunciar tudo o que fazem de errado, e olhem que é muita coisa.

3) Entregamos a bandeira da democracia e do estado democrático nas mãos da direita, nós que efetivamente conquistamos a democracia, que a arrancamos das prisões e mortes, agora fomos considerados "golpistas", pelos golpistas. Temos que retomá-la porque é nossa.

4) Não ter acesso rápido e direto à campanha da Dilma, e deixá-la a resolver tudo em um petit comitê, foi tornando a candidata mais formal, um pedantismo, uma rouparia, uma linguagem extremamente muito técnica, que a foi distanciando da compreensão do povão, e deixando o molho para a bonitinha explorar. É preciso torná-la mais livre e acessível ao povo e aos jornalistas, sem medo de errar. Chega de tanta proteção. Será assim na Presidência? Já não basta o Serra fechado no Governo do Estado, sem se importar com o que acontecia fora? Queremos a Dilma livre das amarras dos assessores. Que eles não a sufoquem com suas idéias. Deixem a Dilma ser a Dilma, porque ela é mais do que estão fazendo com ela.

5) A questão da relação com as Igrejas é outro ponto obscuro. Parece que ninguém sabe rezar o Pai Nosso? Como puderam deixar a Dilma já no primeiro encontro com o Datena fazer aquelas considerações sobre religião que expressaram grande desconhecimento e,  portanto, distanciamento. Depois, foram deixando a extrema direita, que se incrustra nas igrejas irem praguejando contra ela uma série de maldades, que foi pegando, pegando, e pegou. Tornaram a mulher a paladina do aborto, e do casamento gay. O pior é que sua assessoria nem se deu conta disto. Não havia nenhum centro de informações que pudesse ir pondo na mesa, em tempo real, todas estas mazelas, que seriam desativadas no ato. No fim, uma reunião com representantes das Igrejas cristãs, surtiu um efeito tardio e irreparável. Tenho dúvidas se este envenenamento poderá ser curado no segundo turno. Pelo menos, ela deve obrigatoriamente comparecer, com sinceridade de intenções, em cultos e missas. É o mínimo, porque se não sabem, as pessoas frequentam regularmente as igrejas.

6) Ir mais para a rua !. Como fazer um encerramento em São Paulo no Sambódromo. Faz na Sé, no Anhangabaú. Se não permitirem, vai assim mesmo! Tem que ir onde  povo está e quebrar o paradigma de distanciamento pequeno burguês, dos seus assessores.

7) Deixe a campanha levá-la nos braços, em vez de controlá-la! Seja mais informal! Mais povão! Naturalmente.

8) Pouparam muito a bonitinha. Marina falou  que quis e não ouviu o que não quis. Foi poupada, poupada, poupada. Até que pegou. Culpa de quem? Nossa. Era para bater também. Que negócio  é esse de planejamento do século XXI? Eles mostraram algum? O que vi foi um interminável e constante comentário da bonitinha com os seus "lamentavelmente" "lamentavelmente", nunca seguidos de como deveria ser. Depois que ela se acostumou, bateu até no Serra, seu aliado. Como não se falou dela no ministério? Agora ela virou estrela, e pensa que é a tchan.

Bem vou ficando por aqui.  Netinho tinha que ir ao debate, tinha que ter respondido às acusações de Aloísio, tinha que ter se separado da Marta, que estava separada dele, e quando viu que caía, foi buscá-lo. Netinho deu voto popular para Marta, mas Marta não transferiu votos da classe média para ele. Aliás, no dia da eleição vi um padre dizer na homilia que não se devia votar em religiosos e cantores. Por aí se vê o quanto o Netinho deixou que o queimassem sem responder à altura.

Estou desabafando de coração aberto porque queria a vitória do negão. Faria um imenso bem para a política de São Paulo. Faltou mais assessoramento.

Um abraço a todos.
Vamos vencer!
A crítica é boa para nos corrigir.
 Vamos ganhar o segundo turno!

sábado, 2 de outubro de 2010

O DIA DA VERDADE

O DIA DA VERDADE





Muitos a proclamam
como única.
Outros dela se utilizam
para fins impróprios.
Alguns a seguem
em silêncio.

Ela aguarda
a oportunidade,
serena,
para colocar
as coisas
no devido
lugar.

Ao povo o que é do povo
.
Em nome do povo,
quantas mentiras
tão verdadeiras,
nublam olhos
enfraquecem mentes,
arrefecem convicções.

Ao povo o que é do povo.

Descobrir
em meio
ao palavreado difuso,
aquilo que permaneceu certo:
o prato de comida
a escola aberta,
o emprego,
a vida.

Porta que se abre,
nas muralhas
dos séculos.

Porta de bençãos
infinitas,
onde o amor
pode vicejar

Vejo crianças
brincando
sobre
o purismo
ideológico.

Estão sorrindo
porque,
unidas,
podem ser
felizes.

Alcançam
o amanhã
mais rapidamente,
seja ele
qual for.

Um raio divino
desperta
o gigante,
de seu
berço
explêndido.

Usa o povo,
o pequeno,
o esquecido
o abandonado,
o desterrado,
o indigente,
o drogado,
o analfabeto,
a viúva,
o órfão.

Declara
feriado da vitória,
confluência
de todos
num único
resultado.

Agora,
cessam
as palavras,
e emerge
o caminho,
onde todos
trilharão,
a gosto,
e a contra gosto.

Caminho certo.

A verdade possível,
entre as impossibilidades.