sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Chuvas em Sampa foram cruéis

Metrôs parados, povo se apertando para ver quem entrava primeiro.

A educação ficou esquecida para as épocas triviais, normais.

Para estas tempestades era um tal de cada um para si e...pasmem "Deus" para todos.

Isto me faz lembrar o Mandamento de não falar o seu santo nome em vão.

O Metrô Butantã estava realmente Tantã, enlouquecido.

A inundação fora impedia o povo de sair, e os "usuários" foram se acumulando acumulando até que lotou toda a estação.

Estas chuvas estão fazendo o paulistano olhar mais para o céu.

Mas não é para rezar não, e para se proteger mesmo.

No meio destas tempestades o Papa renuncia, um torcedor corintiano mata um garoto boliviano.

Ficaram escandalizados na Bolívia, mas para nós isto é natural, afinal por aqui sempre estão matando alguém por "amor" a futebol.

Ah chuva bendita, a única verdadeira, que nos tira de nossas rotinas, e nos obriga a fazer diferente.

Chove Chuva!

Jorge Bem.....Jor?