"Razões de caráter cultural" foram a justificativa da Arábia Saudita para censurar a versão árabe da edição de agosto da revista National Geographic, cuja capa exibe a imagem do papa Francisco. Com uma breve mensagem postada na rede social Twitter, o diretor da edição saudita da revista pediu desculpas aos leitores e informou que o número foi barrado por essas razões culturais.

Segundo a Foreign Policy, o motivo da censura seria principalmente o título da capa: "O papa Francisco refaz o Vaticano". O anúncio seria "perigoso" para os wahabitas no poder, pois uma "revolução no Vaticano" mostraria que mesmo uma "monarquia absoluta" pode "adaptar" a fé aos tempos modernos.

A Arábia Saudita segue a sharia, a lei islâmica baseada na interpretação rígida do alcorão, que impõe a pena de morte em casos de assassinato, violência sexual, tráfico de drogas e bruxaria, por exemplo. Nesta visão ultraconservadora do islã, as mulheres são proibidas de dirigir e devem estar sempre acompanhadas por um homem ao qual sejam ligadas por laços estreitos de parentesco.