O cooperador humanitário, César Tavella, estava correndo quando três homens atiraram contra ele em um bairro de Daca, capital de Bangladesh. Os assassinos, que fugiram de moto, estão ligados a grupos de fundamentalistas islâmicos, visto que o assassinato foi reivindicado na internet por uma base local do Estado Islâmico (EI). A confiabilidade da mensagem está sendo investigada.
Tavella nasceu em Milão e trabalhava para a ONG holandesa ICCO Cooperation em um projeto no setor de agricultura e alimentação. Imediatamente ficou claro para a polícia local que o assassinato não foi uma tentativa de assalto: a vítima morreu antes de chegar ao hospital e havia consigo todos os seus pertences.
Teme-se agora outro ataque aos não-muçulmanos, como ameaçado pelo EI. Em Bangladesh estão presentes grupos jihadistas ligados à al-Qaeda e aos homens do califado que muitas vezes competem entre si. "Estamos preocupados com o crescimento da violência e do fundamentalismo no país e apelamos ao governo para que a situação não fique fora de controle", disse à Agência Fides Dom Theotonius Gomes, bispo auxiliar de Daca, em nome da Conferência Episcopal. “Há uma apreensão geral com a presença do EI em Bangladesh - acrescentou -. Sabemos que é um fenômeno mundial e que grupos de militantes locais agora podem ser influenciados pela Estado Islâmico".
Sobre a notícia do assassinato do italiano, o Bispo auxiliar de Daca destacou: "Estamos desapontados e amargurados. Como Igreja Católica, condenamos o gesto execrável e expressamos solidariedade à família e à nação italiana. Muitos funcionários do governo e líderes da sociedade condenaram o assassinato".