Foi o que disse Dom Georges Abou Khazen, Vigário Apostólico de Aleppo dos Latinos, à Agência Fides comentando o massacre de Paris onde vários ataques terroristas, reivindicados pelo Estado Islâmico (IS) mataram mais de 127 pessoas e causaram 200 feridos

Roma,  (ZENITRedação 363 visitas

“Estamos profundamente chocados e tristes. Manifestamos nossos sentimentos e solidariedade para com as vítimas da tragédia de Paris e a toda a Europa. O terrorismo é uma ideologia que não poupa ninguém. O povo sírio entende muito bem a situação de angústia em que se encontram hoje os cidadãos europeus. Nós há anos sofremos tragédias e vivemos no terror. Por isso, é preciso encontrar a unidade e sobretudo parar de fazer financiamentos, vender armas e treinar grupos terroristas que agem no Oriente Médio e agora também na Europa.” Foi o que disse Dom Georges Abou Khazen, Vigário Apostólico de Aleppo dos Latinos, à Agência Fides comentando o massacre de Paris onde vários ataques terroristas, reivindicados pelo Estado Islâmico (IS) mataram mais de 127 pessoas e causaram 200 feridos. 
Dom Georges Abou Khazen disse também à Fides: “O terrorismo é um monstro que não se controla, uma idelologia de morte que não respeita nada e ninguém, que mata sempre e em qualquer lugar. Na Síria, o conhecemos bem, pois há anos sofremos por causa de ataques terroristas que causaram milhares de refugiados. Tudo isso acontece diante da indiferença da comunidade internacional. Hoje, depois da tragédia de Paris, é preciso encontrar uma unidade decisiva e autêntica no combate ao terrorismo. Como dissemos várias vezes, os grupos terroristas como Isis são financiados, armados, treinados pelas grandes potências por interesses econômicos e políticos. Quem os sustenta? É uma pergunta que também o Papa Francisco fez sem ser ouvido”.
Por isso, segundo os bispos, “a resposta política é a de parar de apoiar esses grupos, promotores de morte, que usam como escudo uma ideologia religiosa”. No plano religioso e espiritual, concluiu, “como cristãos podemos somente olhar para o Jubileu da Misericórdia e pedir ao Senhor para que infunda o seu Espírito de misericórdia nos corações e nas mentes dos homens”