terça-feira, 6 de setembro de 2016

Grito dos Excluídos sai às ruas em defesa da vida e da democracia

6 de setembro de 2016 - 19h46 

A 22ª edição do Grito dos Excluídos chega às ruas no momento em que a presidenta eleita por 54 milhões de brasileiros foi destituída sem crime. O golpe também será tema dos atos que acontecem neste 7 de setembro. O Grito 2016 denuncia um sistema que exclui, mata e degrada e se mobiliza contra a retirada de direitos e contra a repressão. O objetivo é dar voz aos excluídos nos níveis local, estadual e nacional em protestos que podem fortalecer pautas de reivindicação.


Grito dos Excluídos
Grito dos Excluídos em Aparecida do Norte (SP) 2015Grito dos Excluídos em Aparecida do Norte (SP) 2015
O Grito dos Excluídos culmina no dia 7 de setembro mas não se encerra nele. A ideia é que as ações desta semana fortaleçam as pautas nas comunidades e movimentos. As entidades constroem os atos em parceria com pastorais sociais de diversas dioceses espalhadas pelo Brasil.

Em 2015, o Grito abordou a manipulação e o apoio da mídia que mente, omite e criminaliza a atuação do movimento social. Naquele ano a coordenação nacional do Grito relatou, em um boletim publicado no final do ano, um relato calculando parcialmente que o ato se realizou em aproximadamente 70 cidades. Todas as regiões brasileiras tiveram manifestações e praticamente todos os estados.

26 Estados com protestos

Neste ano, às vésperas do Grito 2016, a coordenação ainda recebe as confirmações das cidades e estados que realizarão atos. Segundo Ari Alberti, da coordenação nacional, são 26 os estados que confirmaram os protestos para a quarta. Apenas o Acre não havia encaminhado a agenda até esta quinta-feira (6).

A defesa da vida é o tema anual do Grito dos Excluídos. A cada edição ganha ênfase uma nova abordagem. Neste ano o lema foi inspirado em discurso do Papa Francisco e denuncia “Este sistema é insuportável: Exclui, degrada e mata!. A organização de cada cidade tem autonomia para desenvolver suas próprias reivindicações localizadas que, segundo coordenadores entrevistados pelo Portal Vermelho, devem absorver também a denúncia da ruptura democrática que aconteceu no país.

A mobilização contra o silêncio

“Quando a presidenta que recebeu 54 milhões de votos foi destituída a gente se perguntou cadê a nossa democracia?”, questionou Ari. “Se for pensar em quem está no poder agora: o presidente, os ministros da fazenda, da economia vamos ver que os pilares deles são as concessões e o ajuste fiscal. O ajuste vai incidir sobre os direitos sociais. É um atentado contra a vida”, completou Ari.
 
Na opinião dele, o aumento das manifestações de rua, combatidas violenamente pela Polícia Militar (PM), sobretudo, em São Paulo, vai motivar que cada vez mais pessoas saiam às ruas. Para o militante, o Grito cria “horizontes de mobilização de luta” para defender e garantir direitos que estão ameaçados. “É um espaço onde os marginalizados podem se expressar”.

O Estado de São Paulo terá o Grito dos Excluídos em 17 cidades. Na Capital, serão três eventos pela manhã, um deles concentrado na Praça da Sé e o outro na Praça Oswaldo Cruz com a Avenida Paulista. Ambos sairão em passeata, respectivamente, até o bairro do Glicério e o outro se encerra no Ibirapuera. A caminhada que vai para o Glicério percorrerá abrigos de imigrantes para manifestar solidariedade.

Nenhum direito a menos

“Os nossos gritos estão pautados em nenhum direito a menos e o Fora Temer faz parte porque o povo está com muita revolta. E dentro de tudo isso tem as palavras de ordem, a música e a alegria para a gente gritar contra o que está nos incomodando”, explicou Regina Alvares, da comunidade eclesial de base da arquidiocese de Belém, no Pará.
 
Na capital paraense o ato começa às 8h nesta quarta com um ato ecumênico em frente ao Centro Arquitetônico de Nazaré, praça em que é encerrado o Círio de Nazaré. Segundo Regina, as pessoas estão em polvorosa com a conjuntura e admite que existe uma apreensão em relação à atuação da polícia.

“Em sete anos que eu participo do Grito não houve enfrentamento mas este ano está todo mundo meio temeroso”, disse Regina. Ela explicou que a temática do Grito no Pará reivindica o fim da violência – seja urbana ou policial – contra a juventude.  Além do ato em Belém vão ser realizadas manifestações nas cidades de Gurupá e Cametá.

Entre as entidades que participam estão organizações de juventude, direitos humanos, trabalhadores rurais, juventude negra, movimento de mulheres e organismos ligados a Universidade Federal do Pará.

Reivindicações locais

As dificuldades vivenciadas pela comunidade do bairro de Jangurussu em Fortaleza, também será abordada pelo grito. No local funcionava um lixão, que foi removido, porém, os moradores, entre eles os catadores, enfrentam dificuldades como falta de saneamento e de perspectiva de melhoria da condição de vida.

“São várias as conexões. Em Jangurussu o grito vai ser mais voltado para o saneamento e as condições dos catadores. Em nível estadual é a democratização da água e em nível nacional a violação ao estado democrático de direito”, enfatizou Isabel Fortes, coordenadora das pastorais sociais da Arquidiocese de Fortaleza.
 
Fortaleza, Madalena, Caucaia, Independência, Itapipoca, Juazeiro do Norte, Limoeiro do Norte e Maranacaú foram as cidades cearenses que confirmaram até esta quinta-feira atos do Grito dos Excluídos.

Mística, debates e atos ecumênicos

As atividades do 22º Grito dos Excluídos vem sendo construída ao longo do ano. Em muitas cidades, as ações começaram em Julho para culminar na semana da Pátria, em setembro. Espaço de formação, a preparação do Grito envolveu muitos debates sobre temáticas diversas. Em Macapá (AP) foi abordada a degradação ambiental, a Bahia debateu Mídia e Juventude e no Ceará falou-se sobre Previdência Social, o caso de Mariana também foi tema das ações em Minas Gerais.

Na quase totalidade das cidades a programação cultural ganhou espaço e ainda a mística, prática política e cultural que envolve música, teatro e poesia. “Assim vamos chegando em outras paragens”, comentou Ari, durante a coletiva do Grito realizada no dia 1º de setembro.

Ele comemorou a retomada das atividades do Grito em diversas cidades que haviam parado de receber os atos e também destacou a chegada de novas cidades que em 2016 realizarão o Grito pela primeira vez.
 
Confira Estados e cidades que confirmaram atos, de acordo com informações da Coordenação Nacional do Grito dos Excluídos:
 
ALAGOAS 

Palmeira dos Índios

AMAPA

Macapá: O Grito vai sair em frente à Igreja Santíssima Trindade, no bairro Nova Esperança. O grito acontece também nas cidades de Ferreira Gomes, Laranjal do Jarí, Oiapoque, Porto Grande, Santana e Vitória do Jarí.
 
As cidades de Calçoene e Pracuuba realizaram atos nos dias Dia 28 e 27 de agosto. 

AMAZONAS

Manaus: Dia 07/09, 15hs Concentração/animação, em frente a Santa Casa de Misericórdia. Os manifestantes sairão em caminhada até a Praça da Igreja de São Raimundo Nonato

BAHIA

Salvador: Dia 07/09, às 9h, concentração do grito no Campo Grande em direção à Praça Castro Alves, onde o encerramento da atividade está previsto para as 13h.
 
Feira de Santana: Dia 07/09, às 7h, concentração do Grito em frente ao Correio da Av. João Durval, o sindicato dos trabalhadores em Educação.

Itapetinga: Dia 07/09, 08h, concentração na Praça do Forró, ato público e caminhada passando pelos bairros Clodoaldo Costa, ruas dos bairros primavera, Parque da Lagoa, bairro Quintas do Morumbi e Américo Nogueira. Após a celebração, acontece o Sarau popular, com apresentações da cultura popular: cordel, poemas, terno de reis, roda de samba, causos, violeiros, etc.

O Grito também será realizado em Bom Jesus da Lapa, Guanambi, Ilhéus, Mundo Novo, povoado Jequitiba, Jequié, Paulo Afonso, Riachão do Jacuípe, Ribeira do Amparo e Cipó, Santa Cruz e Ubaitaba.

BRASÍLIA

Brasília: Dia 07/09, às 8h30, concentração do Grito em frente à Catedral de Brasília.

CEARÁ

Fortaleza: Dia 07/09, às 8h, concentração do Grito, em frente a escola Delma Hermínia, em frente a escola na perimetral

O grito acontece também em Madalena, Caucaia, Independência, Itapipoca, Juazeiro do Norte, Limoeiro do Norte, Maranacaú. 
 
ESPIRITO SANTO

Vitória e São Mateus

GOIAS
Goiânia: 

MARANHÃO

São Luis, Brejo, Caxias 

MATO GROSSO

Cuiabá: O Centro Burnier Fé e Justiça realizou desde o dia 30 de agosto um curso com os egressos do Trabalho Escravo, as duas primeiras semanas são sobre cidadania e direitos humanos e a temática do Grito. 

MATO GROSSO DO SUL

Dourados

MINAS GERAIS:
Belo Horizonte: Dia 07/09, 9h concentração do grito na Praça Raul Soares, com intervenções político culturais durante a marcha: direito a comunicação e a cultura, soberania popular sobre a mineração, reforma do sistema político, em defesa dos direitos dos trabalhadores.

Congonhas: A Arquidiocese de Marina, realizará atividade regional, dia 07/09,  8h – Concentração na Praça em frente a Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição, em Congonhas – acolhida, com um café, e animação com cânticos; 8h30 – Apresentação dos objetivos do 22º Grito dos Excluídos celebrado na Arquidiocese de Mariana e Oração de Abertura (Mística); 9h – Início da Caminhada em direção ao Santuário do Senhor Bom Jesus de Matosinhos. 

Governador Valadares: onde o grito envolverá toda a Arquidiocese de Mariana e cidades do entorno. Dia 07/09, às 8h, concentração do grito na Praça Serra Lima, o grito será contra a Samarco e Impunidade, reivindicando o Rio Doce vivo.

Montes Claros: Dia 07/09, às 7h30, concentração do Grito na Praça Cel. Ribeiro, caminhada pelas ruas centrais até o desfile oficial. Montes Claros realizou diversas atividades do Grito desde o dia 31 de agosto.

Santa Maria de Itabira: Dia 07/09, 8h: Chegada/café – Campo da Vila; 8:30h: Acolhida/ Animação: Comunidade Quilombola (Barro Preto e Indaiá); 9h: Abertura oficial/ Saída em Caminhada;  9:30h: 1ª- parada: “Degradação/Meio Ambiente”, local na Barra; 10:30h: 2ª- parada: “Política/Exclusão”, local na Fundação Francisco de Assis; 11:30h: 3ª- parada/ encerramento: “Morte”, local na Praça Sagrados Corações. O encerramento terá um almoço coletivo, com macarrão à bolonhesa, preço R$ 5,00, local na Paróquia N. Sra. Do Rosário.

Uberaba: Dia 07/09, o grito este ano no Triangulo Mineiro, terão um grito regional envolvendo as dioceses de Uberlândia, Patos de Minas, e a Arquidiocese de Uberaba, o grito acontecerá na cidade de romaria, a concentração será no trevo da cidade, a partir das 8h30, logo em seguida sairão em caminhada até a Igreja, com diversas atividades, encerrarão às 15h com celebração.
O grito acontece também em Araguari, Barbacena, Bom Jesus do Amparo, Conselheiro Lafaete, Corinto, Governador Valadares, Ipatinga, Mariana e região,  Merces,  Passos, Tarumirim e Uberlandia

PARA

Belém, Gurupá e Cametá

PARAIBA

João Pessoa: Dia 07/09, às 9h, concentração do Grito na Lagoa, e sairá no  final do desfile da Independência, dividido em 5 cinco blocos: o da Democracia será o abre alas, com a denúncia do “Golpe” e com ênfase no “Fora Temer”, haverá ainda o bloco dos direitos humanos (mulheres, negros e o movimentos LGBT contra o machismo, racismo e homofobia); o da luta pela terra e questão indígena (movimentos do campo e os povos indígenas na luta permanente pela terra e identidade); da cultura e comunicação (cultura popular, as expressões artísticas e a defesa pela democratização da comunicação); e o do Trabalho e Dignidade (contra os ataques aos direitos dos trabalhadores em geral).

O grito acontece também em Campina Grande.

PARANÁ:

Curitiba: Dia 07/09, às 8h30, concentração na Paróquia São Benedito, Rua Frederico Stadler Júnior, 441, Bairro Capão da Imbuia – Curitiba, Próximo ao terminal Capão da Imbuia e Detran.

O Grito acontecerá também nas cidades de Apucarana, Foz de Iguaçu, Paranavaí.

PERNAMBUCO
Recife: Dia 07/09, às 9h, concentração do Grito na Praça do Derby.

Garanhuns: Dia 07/09, às 8h, Missa pela Pátria (Igreja do Carmo - Bairro São José) presidida pelo bispo diocesano D. Paulo Jackson; logo após a missa o Grito seguirá para a Praça Dom Moura, em frente ao Centro Cultural de Garanhuns, onde os manifestantes se concentrarão e haverão falas abertas aos participantes e organizações envolvidas na preparação e articulação.

Pesqueira:  Dia 07/09, os agentes da Cáritas Diocesana de Pesqueira montarão uma tenda no centro da cidade para realizar panfletagem explicando o que significa e qual a importância do Grito dos Excluídos, com entrega da Carta sobre as Eleições 2016 escrita pelo Bispo Diocesano, Dom José Luiz Ferreira. 

O grito acontece também em Surubim.

PIAUI
O Grito realizou atividades de 31 de agosto a 5 de setembro em Teresina abordando direitos da mulher e direitos trabalhistas, entre outros temas. 

RIO DE JANEIRO:
Rio de Janeiro: Dia 07/09, a partir das 9h, a concentração do Grito, na Rua Uruguaiana com a Av. Presidente Vargas.
 
Petrópolis: Dia 07/09, às 9h, a concentração do grito será na Praça da Inconfidência, e o bloco do grito entrará na avenida após  o desfile oficial, na Avenida do Imperador , sairão em caminhada até a Praça da Liberdade, onde será encerrado com ato e fala de todos os movimentos envolvidos na organização na frente do busto de Zumbi. A caminhada vai ser acompanhada com integrantes de escolas de samba da cidade, um grupo de capoeira; contará com várias intervenções artísticas (ballet, jazz etc.), música e gritos para motivar os participantes a também gritarem em seus bairros e comunidades.

O grito acontece também em Campos de Goytacazes

RIO GRANDE DO NORTE

Natal: 
As atividades do Grito se iniciaram no final de julho na cidade de Mossoró e seguiram até o dia 6 de setembro com ações em Parelhas e Currais Novos.

RIO GRANDE DE SUL:

Porto Alegre, Passo Fundo e Santa Maria.

RONDONIA

Porto Velho e Guajará Mirim

RORAIMA

Boa Vista: 

SÃO PAULO
 
São Paulo/SP: Dia 07/09, às 9h, concentração do Grito na Praça Oswaldo Cruz esquina com a Avenida Paulista, e seguirão em caminhada até o Parque do Ibirapuera. 

São Paulo/Sé: Dia 07/09, se reuniram na Praça da Sé, e sairão em caminhada até uma ocupação de sírios e palestinos na Liberdade e encerrarão o ato na ocupação de haitianos no Glicério.

Americana/Nova Odessa: Dia 07/09, às 8h, concentração do grito na Rua Leite de Campos, em frente ao número 90, no centro da cidade.

Aparecida: Dia 07/09, às 10h00, acontece o momento do Grito, em frente ao Santuário Nacional,   juntamente com as atividades da 29ª Romaria dos/as Trabalhadores/a, que tem inicio às 8h, com a concentração no Porto de Itaguaçú de onde saem em caminhada até a Basílica, participam do momento do Grito, e às 11h00, acontece a Celebração da  Romaria do Trabalhador.
 
São Bernardo do Campo: Dia 12/09, o grito será à partir das 08h30, na Praça da Igreja Matriz.

São Vicente: A arquidiocese de Santos está concentrando as atividades do Grito na cidade. Dia 07/09, o grito terá início às 13h30, concentração na comunidade Dom Bosco / Animação; 14h00 - Espiritualidade – CEBs; 14h20 - Abertura Oficial; 14h30 - Apresentação Cultural; 14h50 - Formação: Participação Política e Transformação da Sociedade (Voto Consciente); 15h40 - Apresentação Cultural; 16h00 - Resultado dos Pré Gritos (Análise da realidade local que estará acolhendo o Grito); 16h20 - Motivação para a Caminhada; 17h00 – Caminhada será pelas ruas de São Vicente, entre a comunidade D. Bosco e a Paróquia Cristo Rei; ; 18h00 - Missa de Encerramento do Grito dos Excluídos.

O Grito foi acontece também em Alvares Machado, Araçatuba, Campinas, Guararapes, Guarulhos, Jacareí Jundiaí, Limeira, Promissão, Piracicaba, Taubate.  Sorocaba realizou o Grito em agosto.

SANTA CATARINA

São Miguel do Oeste: Dia 07/09. O Grito acontece também em Caçador, Chapecó, Gaspar, Joinville, São José e Tubarão 

SERGIPE

Aracaju

TOCANTINS

Wanderlandia: Dia 07/09.