sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Referência a um juíz partidarizado. Será que é de Curitiba? Morou?

"Pensem na gravidade e no absurdo da situação: um juiz que decide quem quer investigar, que determina antes de investigar quem é culpado, que decreta prisão preventiva ou coerção de quem suspeita, que mantém a pessoa presa até "decidir" delatar, que opta por não aceitar delação se esta não segue seus propósitos, que vaza informação pra imprensa pra manipular opinião pública, que confraterniza publicamente com os opositores políticos de seus investigados e que, no final do processo, ainda decide sozinho quem vai pra cadeia e por quanto tempo.
Isso parece minimamente razoável pra vocês?" (Pablo Villaça)