segunda-feira, 16 de julho de 2012

Surgem os evangélicos não praticantes

O fenômeno da secularidade, da perda da espiritualidade, do render-se ao mundo e ao que ele nos oferece de material e de consumo, não atinge mais apenas aos católicos. Agora os evangélicos também entraram no rol do não praticantes. Quando os católicos eram a maioria absoluta, e os evangélicos a minoria, muitas eram as críticas à existência dos chamados católicos não praticantes. Com o aumento de uma minoria de evangélicos para um percentual mais representativo, surge também neste segmento religioso o mesmo fenômeno dos NÃO PRATICANTES. Como explicarão este fenômeno? Porque eles estão deixando de frequentar suas igrejas? Será pelo mesmo motivo dos católicos? Creio que não, mas isto fica para a próxima vez.  Esta matéria foi retirada do IG.


15/07/2012 - 05h30

Evangélicos estão menos vinculados às igrejas

Publicidade
DENISE MENCHEN
DO RIO
O crescimento do número de evangélicos no país foi acompanhado pela expansão dos fiéis que transitam por mais de uma igreja ou que não têm vínculos com nenhuma instituição.
O fenômeno, observado por pesquisadores da área, foi detectado também pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que divulgou em junho dados do Censo 2010 sobre a religiosidade dos brasileiros.

A pesquisa mostrou que, ao serem questionadas sobre sua religião ou culto, 9,2 milhões de pessoas (4,8% da população) responderam simplesmente ser evangélicas, sem citar nenhuma igreja específica. Em 2000, foram pouco mais de um milhão.
Como os recenseadores não fazem perguntas adicionais, não é possível saber se de fato todo esse contingente frequenta mais de uma igreja, se frequenta só uma ou não frequenta nenhuma.
"A oferta de igrejas aumentou muito, e elas já não exigem aquela adesão irrestrita do passado", diz Edin Sued Abumanssur, do Departamento de Ciências da Religião da PUC-SP.
O demógrafo José Eustáquio Diniz Alves, da Escola Nacional de Ciências Estatísticas do IBGE, aponta ainda que, atualmente, parte dos evangélicos já não frequenta nenhuma igreja.
"Assim como há os católicos não praticantes, hoje existem os evangélicos não praticantes", compara.
Para explicar o fenômeno, há várias hipóteses: desde a decepção dos fieis com a igreja que frequentavam até os custos elevados da vida religiosa, passando pelo aumento do individualismo e pela busca por mais autonomia.
Ao mesmo tempo, tem se tornado mais comum a tentativa de evangélicos de ocupar o espaço público. "É algo relativamente recente, porque eles sempre foram minoria. Agora que estão tendo mais expressão, querem obter mais visibilidade", diz Abumanssur.