quinta-feira, 26 de julho de 2012

Estou cansado...

O sono não resolve mais.

Tentei, juro, ficar bastante tempo na cama para ver se a realidade mudava.

Qual o quê!

Quando saio só vejo o reino do individualismo imperando.

Ninguém se interessa de fato com os outros.

Nós, os que querem um mundo novo, somos muito poucos, e parecemos estar abafados pela multidão engalfinhada na multiplicidade de interesses particulares.

De maneira geral faço silêncio, para não atrair a ira gratuita dos seres superiores, os vencedores.

Olho como quem não vê, sabendo de tudo, e pasmem, sorrio até, finjo, faço que sou um deles, só para não me deixarem para trás, porque deixam sim, abandonam.

Precisam de algum problema, para destilarem seus ódios em alguém que lhes traga dividendos respeitáveis.

Acusam e se projetam como os tais, os melhores. gozam..
.
Ah que eu pego e...não, deixa!

Vou seguindo, procurando os poucos semelhantes que tem o sinal da cruz, e testando-os, para ver se não são nenhum demônio disfarçado em anjo de luz, porque o que tem de capetinhas por aí, disfarçados de cristãos...

Cala-te boca!

Enquanto isto, tantos ateus com tanta humanidade.

Mundo cruel e ambíguo.

Estou realmente cansado, não uma cansaço físico, mas espiritual.

Não encontro gente. São poucos e distantes.

Procuro descansar mas os olhos pesam abertos, com sobressaltos e interrogações sobre tudo isto.

Onde estou?

Quem sou eu?

Para onde vou?

Sem ser suicida, estou perdido em minha consciência interior, momentaneamente compartilhada tipo Facebook.

Esqueçam.