segunda-feira, 9 de julho de 2012

Governo japonês persegue estrangeiros dentro da Igreja


Japão: identidade de estrangeiros é verificada nos lugares de culto
Bispos católicos divulgam protesto sem precedentes
Anita Bourdin
Segunda-feira, 9 de julho de 2012 (ZENIT.org) - Os bispos católicos do Japão pediram à polícia o fim da verificação de documentação de estrangeiros nos lugares de culto. O site Eglises d'Asie (EDA), da agência das Missões Exteriores de Paris, chama a atenção para este caso de limitação da liberdade religiosa.
Segundo a agência, dom Ikenaga Jun, arcebispo de Osaka e presidente da Conferência Episcopal do Japão, pediu ao governo que "pare de fazer controles de identidade nas igrejas". O arcebispo entregou uma carta ao governo japonês pedindo esclarecimentos sobre as instruções dadas à polícia.
A iniciativa do episcopado japonês não tem precedentes e acontece após o incidente de 27 de maio, domingo de Pentecostes, quando a polícia entrou em uma paróquia católica de Yokohama solicitando a documentação dos estrangeiros. A polícia prendeu um cidadão filipino, suspeito de ser imigrante ilegal.
A carta do episcopado foi entregue a Jin Matsubara, presidente da Comissão Nacional para a segurança pública.
Em nome dos bispos japoneses, o arcebispo pediu que a polícia “não perturbe as atividades da Igreja e se abstenha de entrar sem mandado na sua propriedade”. A carta pede ainda que a polícia “não siga os estrangeiros nos locais de culto nem faça controles de identidade nas propriedades da igreja ou nas suas imediações”.
O compromisso dos bispos com a defesa dos direitos dos imigrantes japoneses não é novidade. Em 1994, a conferência episcopal já tinha defendido as pessoas que ajudavam os trabalhadores imigrantes em situação ilegal.
Por outro lado, é a primeira vez que a Igreja dirige publicamente um protesto a uma esfera tão alta do Estado japonês.