quinta-feira, 27 de março de 2014

Estudo do Ipea aponta que para 42,7% dos brasileiros "mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas"


Getty Images
Mulheres são consideradas responsáveis por violência sofrida, mostra pesquisa
A maioria dos brasileiros ainda considera a mulher como responsável pela violência sexual, de acordo com estudo divulgado nesta quinta-feira (27) pelo Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea). Para a pesquisa, foram entrevistadas 3.810 pessoas entre maio e junho do ano passado. 
Para 35,3% dos entrevistados, "se as mulheres soubessem se comportar, haveria menos estupros" e para 42,7%, "mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas". Esta é a parcela que concordou totalmente com as afirmações. Jovens e moradores das regiões sul e sudeste têm menos chances de culpar o comportamento feminino pela violência sexual. A chance também é menor à medida em que aumenta o nivel educacional do entrevistado. Católicos têm chances 1,4 maior de concordar total ou parcialmente com a afirmação. Entre evangélicos, a chance é 1,5 vez maior.
Mais:
O estudo aponta ambiguidade no discurso do brasileiro. Enquanto 91% dos entrevistados concordam total ou parcialmente que "homem que bate na esposa tem que ir para a cadeia", 66,6% acreditam que roupa suja se lava em casa", 47,2% consideram que "em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher" e outros 58,3% atestam que "o que acontece com o casal em casa não interessa aos outros". Ao mesmo tempo em que se considera que desavenças familiares devem ser resolvidas de forma privada, a punição de maridos agressores com prisão tem grande aceitação.
Para 40,9%, a concordância é total com a afirmação "os homens devem ser a cabeça do lar". O mesmo acontece com os 50,9% que consideram que "toda mulher sonha em se casar" e com os 28,6% que acreditam que "uma mulher só se sente realizada quando tem filhos".
De acordo com o estudo, 56,9% dos brasileiros discordam totalmente que "a questão da violência contra as mulheres recebe mais importância do que merece" e outros 54% contestam a afirmação "mulher casada deve satisfazer o marido na cama, mesmo quando não tem vontade". Além disso, 89% discordaram totalmente com a frase "um homem pode xingar e gritar com sua própria mulher”.