domingo, 24 de junho de 2012

Vitória da Irmandade Muçulmana acende um pavio de fósforo no Oriente Médio

A vitória da Irmandade Muçulmana no Egito coloca num horizonte de médio para longo prazo um acirramento dos confrontos no Oriente Médio. Israel não será mais ignorado, e um confronto de grandes proporções não pode ser desconsiderado. As expectativas que se tinham de que os estados que surgiriam da primavera árabe seriam laicos caem por terra.
Agora se implantará a sharia para todos,  e os cristãos estarão nas mãos de normas e leis islâmicas. Os sindicatos e partidos políticos  deverão se conformar à religião do estado, senão serão igualmente perseguidos.
Há um nítido interesse do império em incentivar o surgimento de conflitos que possam desembocar em um grande conflito que envolva o Irã.
Ressurge a polarização do mundo novamente, com o posicionamento obrigatório da Rússia e da China, em face da tragédia que foi a Líbia. Por causa do que aconteceu com a Líbia, Rússia e China se vêem obrigados a se posicionarem contra qualquer intervenção na Síria.