sexta-feira, 18 de maio de 2012

Soneto de Dom Pedro Casaldáliga

Será uma paz armada, amigos,
Será uma vida inteira este combate;
Porque a cratera da ...carne só se cala
Quando a morte fizer calar seus braseiros.

Sem fogo no lar e com o sonho mudo,
Sem filhos nos joelhos a quem beijar,
Sentireis o gelo a cercar-vos
E, muitas vezes, sereis beijados pela solidão.

Não deveis ter um coração sem núpcias
Deveis amar tudo, todos, todas
Como discípulos D'Aquele que amou primeiro.

Perdida para o Reino e conquistada,
Será uma paz tão livre quanto armada,
Será o Amor amado a corpo inteiro.

Dom Pedro Casaldáliga