segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Centrais definem mobilizações em 2014 para fortalecer trabalhador

27 DE JANEIRO DE 2014 - 16H54 

O ano mal começou e as centrais sindicais já avançam na mobilização em defesa dos trabalhadores. Reunidas na sede da União Geral dos Trabalhadores (UGT), na Bela Vista, em São Paulo, as centrais aprovaram a realização de um ato unitário em defesa da agenda dos trabalhadores, que ocorrerá em São Paulo, no dia 9 de abril. Além disso, uma pauta de reivindicação será entregue à presidenta Dilma.



Reunião das centrais na tarde de segunda (27) / foto: Cintia Ribas


O Dieese coordenará uma comissão que será formada para atualizar a pauta e elaborar documento. As centrais pretendem entregar o documento à presidenta pessoalmente, em audiência, e também a todos os candidatos que concorrerão à Presidência da República neste ano.

De acordo com as centrais, a finalidade da mobilização é retomar as lutas da classe trabalhadora, especialmente as definidas em 2010, na 2ª Conferência Nacional das Classes Trabalhadoras (Conclat).

Além da UGT, participaram do encontro representantes Central Única dos Trabalhadores (CUT), Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB), CGTB, Força Sindical, Nova Central. Para representar a Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), esteve presente o presidente da central, Adilson Araújo, que defendeu um documento enxuto, com foco na mudança da atual política econômica do governo, que prioriza o sistema financeiro, com alta taxa de juros que impede o crescimento econômico do país.

Redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais sem redução de salário, o fim do fator previdenciário, a manutenção da lei do salário mínimo e a luta contra a Terceirização são algumas das pautas defendidas pelos trabalhadores.

Também foi constituída uma comissão para definir uma proposta unificada para o financiamento dos sindicatos. Outro tema discutido foi ações em defesa da Copa do Mundo no Brasil.

Ato em São Paulo

O local e horário exatos do ato na capital paulista, no dia 9 de abril, só será definido na próxima reunião das centrais, marcada para o dia 4 de fevereiro, na Força Sindical. Mas, já há a recomendação de que nos demais estados também sejam realizados atos.

Da redação do Vermelho com informações da assessoria de imprensa da CTB