quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Cristãos em perigo com eventual novo governo na Síria

Fala Dom Samir Mazloum, do patriarcado maronita de Antioquia
DAMASCO, terça-feira, 4 de outubro de 2011 (ZENIT.org) – “Com um novo governo, a situação dos cristãos na Síria poderia piorar”, afirma Dom Samir Mazloum, do patriarcado maronita de Antioquia, preocupado pela evolução política da república árabe.
“A Igreja sempre acompanhou com apreensão o que acontecia nos países vizinhos – declarou o bispo a Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) –, porque é possível que chegue um novo regime, ainda mais ditatorial e extremista que o de Assad.”
Dom Mazloum está especialmente preocupado pelo Partido dos Irmãos Muçulmanos, “muito forte e muito preparado para tomar o poder” – uma eventualidade que o prelado teme que possa implicar na introdução da lei islâmica como única fonte do direito, aplicada também aos cristãos.
“Esta eleição converteria os cristãos em cidadãos de segunda categoria, a quem se negaria a igualdade jurídica e o direito a uma vida normal”, explicou.
No país, vivem quase 1.600.000 cristãos (dos quais 35 mil são maronitas); e a Síria, junto ao Líbano, é ainda o único país árabe onde o islã não é a religião definida do Estado, nem a fé religiosa de pertença aparece nas carteiras de identidade.
Cúpula islâmico-cristã
Enquanto isso, no último dia 27 de setembro, no Líbano, na sede oficial do grão-mufti sunita em Dar El-Fatwa, por iniciativa do patriarcado maronita, aconteceu a cúpula islâmico-cristã sobre a Síria.
No documento final, insiste-se na “necessidade de proteger os movimentos de emancipação que estão nascendo no mundo árabe de qualquer derivação extremista, que os desnaturalizaria e que poderia suscitar inquietudes”.
“Devemos encontrar novas formas de diálogo e conseguir dar esperança – disse a AIS o arcebispo maronita de Damasco –, porque sempre há uma solução, ainda quando a cruz parece muito pesada.”