terça-feira, 4 de outubro de 2011

Correndo no eixo conturbado entre São Paulo e Rio


Centro SP.jpg

Estive neste fim de semana no rio de Janeiro. Um calor!

Lá encontrei um torcedor do fluminense conversando com um vascaino, ambos vestidos com as respectivas camisas de seus clubes. E numa nice.

Aqui em Sampa daria uma briga de organizadas.

De volta, antes de chegar à Rodoviária Novo Rio, passei por uma praça cheia de gente empinando pipas, aos montes.

Pensei comigo - Como é barato ser feliz.

Concluo - Muitos buscam sobreviver, lutando daqui e dali, cheios de aflição, e a alegria à disposição de cada um, desde que se disponha a encontrá-la, nas atividades mais triviais da vida, como esta de empinar pipas.

Fiz uma viagem das mais cansativas de volta a São Paulo.

Sentei ao lado de um Monumento, isto é, de uma moça que se achava a sétima maravilha do mundo, e por isso silenciara-se.

Ou então pensava que eu fosse um estuprador, afinal estou careca e barrigudo.

Fez-me lembrar da Bela e a Fera, ou o Corcunda de Notre Dame, ou o Fantasma da Ópera.

Achei-me o último dos mortais, ali em silêncio, por toda a viagem.

Para não deixá-la inflar-se muito, também a evitei. Ficamos assim, como se não existíssemos.

Busquei fazer uma oração, mas o cansaço também me impediu. Pedi perdão a Deus por tanta fraqueza.

A condição humana é horrível, e dói ver como somos secos de coração e humanidade.

De volta a Sampa, encontrei no final do domingo,  grupos os mais variados, nos poucos trens que ainda circulavam, do Metrô.

Não existe nada mais melancólico que o fim do domingo, para quem não tem fé. Como estava meio sem fé, então...foi melancólico, mas nem tanto.

Segunda-feira não tive disposição nem de escrever.

Pensei no avestruz que põe a cabeça embaixo da terra, e por encanto se considera escondido.

Esta terça, entretanto,  já refeito da viagem, de volta ao regaço do lar, saí pela manhã, correndo pelo centro de Sampa.

Com sempre, a Rio Branco muito poluída, e a Praça Princesa Isabel com mães e seus bebês misturados a um sem número de mendigos e abandonados, largados à meio fio da calçada e nos jardins. Um fedor de fezes humana horrível.

O grau de mendicância naquela área é das mais degradantes, pois são drogados, que se vestem de cobertores apenas, e esqueléticos, tropeçam pelas calçadas, com os corpos machucados e fedidos.

Faço uma corrida leve, quase uma marcha.

Já no centrão, próximo a Sé, vejo mais um dos muitos pequenos piquetes de greve do Sindicato dos Bancários.

Um orador no microfone tenta levantar o ânimo dos funcionários do Banco do Brasil, enquanto recrimina a outros, pois aparentemente ali a greve é parcial.

Paro, e acompanho o discurso muito bem elaborado, por sinal.

Discurso feito com um sistema de som alimentado por um motor, coisa já bem estruturada, até um pouco burocrática e exterior ao movimento, pois o orador não tinha platéia visível.

Meu sentimento é de solidariedade, mas carrego no bolso duas contas para pagar, uma de luz e outra de gás,  e preciso encontrar alguma agência aberta para não ficar com multas.

São as contradições da vida: apoiar, de um lado, os bancários, pois já fui um deles, e demitido por razões políticas, no passado ( um dia conto a vocês), e de outro, ter contas que precisam ser pagas em alguma agência aberta, tornando-me um virtual fura-greve.

Procurei pagar sem levantar marolas, usando um termo atual, lulístico.

Achei uma agência do Bradesco, na Pça. Marechal Deodoro, e resolvi lá as pendências.

No centro, o povo de rua, que é acordado todas as manhãs pela polícia municipal, fica sentado na Sé, no Pátio do Colégio, tentando esquentar-se deste dia úmido e com nuvens.

O que será de nosso país aí pela frente? Tudo muito contrastante.

Um país com desenvolvimento e miséria, exploração e greves.

Não recebo cartas há uns quinze dias. Greve do Correio.

Gosto do que Dilma está fazendo.

Agora parece que ela está com mais personalidade, e isto é bom.

A sombra do Lula deve ter-lhe sido muito pesada.  

Parece que passou.

Melhor.

Imagino que se fosse o Serra Presidente, isto estaria uma convulsão social, com as tropas da Otan bisbilhotando tudo, e repressão em cima do povo.

Graças a Deus que não, e temos abertura para o contraditório.

Democracia.