terça-feira, 23 de agosto de 2011

Campinas: cassados e absolvidos



É uma verdadeira piada o que assistimos na política municipal de Campinas.

A imensa maioria dos vereadores de Campinas cassou o mandato do prefeito Hélio de Oliveira, do PDT, sem provas reais, mas baseada em acusações feitas pela Promotoria Pública, e sem decisão judicial. 

Apenas o valoroso vereador Sérgio Benassi, do PC do B, se posicionaou contra a cassação, exatamente por este motivo, ainda que tivese sido favorável à abertura de comissão de investigação da Cãmara.

Atitude democrática, nestes tempos em que a mídia usa e abusa de tentativas de golpes para desgastar o Governo Dilma.

Neste contexto, Campinas é uma situação periférica considerável, pois vindo as eleições municipais, a oposição quer colocar a mão na cidade, e aí estabelecer um controle maior sobre a região, preparando-se para as eleições presidenciais.

Esta análise é real, e não um sonho. Geraldo Alkmin e a mídia paulistana já esburacaram vários municípios administrados por partidos da base de apoio ao Governo Federal

O Prefeito Hélio, com grande aceitação na cidade pelas obras realizadas, conforme pesquisas, acaba de ser substituído pelo vice Demétrio Vilagra, do PT, que desde o início das investigações, fazia parte do mesmo imbrólio.

Como o vice acaba de fazer um acordo com o PMDB pra garantir sua governabilidade, assistimos ao fenômeno da cassação de um e a absolvição de outro. Atitude incoerente do PT, forçando a saída de um para pegar o espólio.

O Vereador Sérgio Benassi sai bem desta refrega de cartas marcadas, por sua coerência em respeitar o Poder Judiciário em suas decisões, em vez de qualquer precipitação pré-julgada, e por não fazer parte de golpes que levam a nada.

Quem será julgado pela Opinião Pública por erros é a maioria que tirou um e deixou o outro. Pior, deixa a cidade sem governabilidade, e mais sujeita a ação dos aproveitadores
Quem viver verá.