sábado, 27 de agosto de 2011

Queda do PIB brasileiro para menos de 4% compromete erradicação da pobreza

É preciso exigir a continuidade do crescimento do país nos patamares previstos em campanha eleitoral, que era em torno de 5%, no mínimo, e se possível, mais. Os EUA estão jogando rios de dólares no mercado e inflacionando sua economia. A China tem inflação elevada para baratear seus produtos e aumentar suas exportações. O Brasil que tem uma neurose com inflação devido ao passado volátil de nossa economia pós autoritarismo, tem grande dificuldade de abaixar os juros e permitir a continuidade do crescimento.

Abaixo disto(5%)  o IPEA afirmava que o objetivo de erradicação da pobreza no país ficaria comprometido.

Porque muito da política de erradicação da miséria se baseia no desenvolvimento, no crescimento econômico do país.

As outras políticas são complementares, tipo distribuição de renda, e outras.

Precisamos fazer o governo rever sua política econômica, e exigir mais ousadia, pois uma crise econômica pode significar um crescimento.

Não é necessário o Brasil entrar em crise junto com a Europa e os EUA.

Os pobres já estão em crise há muito tempo. Estes sim, querem sair da crise.