sábado, 19 de março de 2011

"Simpatias" cobrem os postes da cidade de São Paulo

Existe algo de podre no reino da Dinamarca...

Pois é, algo está acontecendo na sociedade paulista, no subjetivo da sociedade paulista, naquilo que anda escondido, secreto, enquanto a cidade vai ficando cada vez mais pujante.

Algo que coabita por debaixo das famílias, das chamadas relações básicas, seculares, tradicionais, porque não?

Não aparece nas manchetes dos jornais, nem na telinha da TV, mas acontece, em meio ao crescimento da classe média, de sua estrutura.

Senão, como poderíamos entender esta multiplicação de propagandas de "simpatias" coladas nos postes, principalmente nos Jardins, Pinheiros, Paulista, Faria Lima, Rebouças enfim as chamadas regiões "nobres", onde corre mais fácil o dindin.

É o "Pai......e suas mestras poderosíssimas", "100% garantido", "trago seu amor de volta como abelha no mel", "pagamento após resultados", "aceitamos cartões Mastercard e Visa", "consulta R$200,00".

A quantidade de "Pai" sei lá do que, de ciganos, etc, com suas "salvações" tem crescido na mesma proporção da.......vocês podem imaginar?

Isso mesmo, da degradação das relações familiares.

Fico imaginando qual é o perfil da pessoa que consulta este tipo de "milagreiro". 

É preciso fazer uma pequena observação antes de dar continuidade ao pensamento:

Existe um tipo de "milagreiro" que  está se multiplicando no país, principalmente os milagreiros "cristãos", que se autodenominam evangélicos, e utilizam deste expediente para sobreviverem às custas de Jesus. Sem dúvida Jesus curou e cura ainda hoje, mas sua dimensão de salvação vai muito além da cura e do milagre, que servem para ajudar o fiel a perceber a companha de Jesus em sua via.

O outro tipo de milagreiro, são estes "pais espirituais" de formação sincrética católica, espírita, umbandista, sob o manto "espiritualista", enganando a muitos desesperados e desavisados.

Mas enfim, qual é o perfil da pessoa que consulta este último tipo de "milagreiro"?

Vou fazer algumas inferências:

1) É uma pessoa de baixa formação religiosa, com pouca leitura bíblica, e vida de Igreja, sujeita a todos os tipo os propagandas.

2) É uma pessoa que está com um problema sério, que põe em cheque a sua estrutura atual de vida.

3) É uma pessoa de posses, mas com elevada infelicidade, por conta do problema que está passando.

4) É uma pessoa que não pode confidenciar a ninguém esta sua dificuldade.

5) É uma pessoa suscetível a qualquer tipo de sugestão.

6) Preferentemente é mulher, embora alguns homens também se sirvam.

Qual é problemas de fundo que leva esta pessoa a consultar estes "milagreiros"?

Arrisco a dizer que o problema maior é o chamado "boi na linha". Não dizem por aí, na roça que quando o boi vai  pastar perto da linha ele acaba parando todo o trem?

É isso mesmo. Existem muitos "bois na linha" hoje parando o trem da vida familiar de muita gente.

A emancipação das mulheres é um acontecimento que todos devemos comemorar.

Mas a emancipação com a perda de valores, está fazendo muita gente hoje desconsiderar que fulano ou beltrana estejam casados, e "dão em cima", até provocar a separação.

Resumindo: esta multiplicação de propagandas de "simpatias" se explica pelo crescimento da degeneração dos valores sociais, uma baixa religiosidade, e um desenvolvimento com emancipação de segmentos novos na sociedade.

Será que as mulheres terão de volta seus maridos roubados por outras mulheres, apenas com o uso de "mestras poderosíssimas", e "pais..." que são "100% garantidos"?

Será que maridos terão de volta suas mulheres que lhes abandonaram, só com o uso de uma "reza forte"?

Tenho pena desta espiritualidade crescente hoje no Brasil.

É o supermercado da religião, a conta gotas, conforme a necessidade de cada um.

Triste espiritualidade.

Jesus do alto do seu trono, no mesmo do Pai, deve estar frustrado com o que vê, principalmente depois de ter mostrado até onde Ele foi e é capaz de ir, por cada um de nós.