quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Os ingleses e suas pesquisas sexuais

A pesquisa foi feita na Inglaterra e o artigo retirei do IG, mas posso afirmar que se fosse feita no Brasil, os acidentes seriam outros muito diferentes daqueles dos ingleses, por exemplo, dor de coluna por fazer sexo preso ao poste, picadas de escorpiões por fazer no mato, afogamento, por fazer no mar ou na lagoa, etc...

As contusões são mais frequentes do que se imagina, segundo Osvandré Lech, presidente da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia.

Ele diz que é preciso tomar cuidado para evitar dores e complicações até mais sérias no futuro. “É um problema comum no nosso dia a dia, quando fazemos um gesto brusco ou forçamos determinadas posições.

Mas pode ser evitado”, diz.

Sofá está entre os principais vilões

Uma pesquisa britânica indica que cerca de 18 milhões de ingleses se machucaram durante o sexo em 2009.

O levantamento, conduzido pela empresa OnePoll, mostra que estiramentos musculares são as queixas mais comuns, seguidos de dores nas costas, esfolados por atrito com o carpete e problemas no pescoço.

E isso pode ficar mais sério: 2% dos entrevistados relataram até ossos quebrados em função da empolgação na cama.

Muitos machucados acontecem durante manobras fora do quarto.

A mesma pesquisa mostrou que o sofá é o local mais propenso a causar acidentes, seguido da escada, carro e chuveiro.

Segundo Lech, não há estatísticas no Brasil que mensurem o número de acidentes sexuais ou a origem deles.

O tema, ele explica, ainda é tabu entre os brasileiros. “Esse tipo de caso acaba sendo tratado em atendimentos de urgência, sem muita privacidade entre médico e paciente.

Ninguém vai contar que se machucou durante o ato sexual nesse ambiente”, comenta.

Para o especialista, a largura estreita dos sofás leva os amantes a forçar muito a coluna, o que provoca estiramentos e contraturas musculares.

No chuveiro e na escada, os casos mais relatados são de fraturas.

“São geralmente no punho, ao cair e tentar se apoiar”, explica.

Como dica ele reforça que o conforto e o comodismo da cama ainda são imbatíveis.

Difícil é explicar isso para os casais quando o clima esquenta.

*Priscilla Borges, iG Brasília; Júlia Reis, iG São Paulo