segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Prioridade para o trabalhador brasileiro no Pré-sal

Diante de notícias que dão conta de que o governo pretende flexibilizar a regra trabalhista para conceder mais vagas para trabalhadores estrangeiros no Pré-sal, temos que exigir do governo a obrigação de fazer uma revolução na educação  profissionalizante do país.

Esta necessidade não é de última hora, mas vem já acontecendo pelo menos três anos as necessidades nas plataformas de petróleo, de forma que deve-se fazer uma mudança na área de Educação para ontem, pois tem gente dormindo, enquanto o tempo passa.

Isto sem contar que o trabalhador estrangeiro, além de retirar o lugar de um brasileiro, tem um valor bem superior.

O curso de Engenharia Naval, e outros correlatos são muito pouco incentivados(Formamos 55000 engenheiros, e a China, 400000 por ano).

Tenho um amigo que está rico consertando motores de navios.  Chama-se Sales, barbudo, sempre de bermuda, badalado pelas empresas marítmas. Passa meses no mar, nos portos.

Pouquíssimas pessoas consertam motores de navios no Brasil.

Pagam ouro para quem tem esta profissão.

Vocês conhecem algum mecânico de navio? Pois é...

E onde está o Governo para incentivar isto?

Revolução na Educação agora!!!!!!

Vamos ser patriotas!!!