segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

A TV brasileira é maior que o crack

Sim, o vício da mediocrização do brasileiro está em curso legalmente, via telinha de TV.

Salvam-se muito poucos programas.

A maioria é um lixo: novelas sem mensagens, apenas incentivando maus hábitos, BBBs da vida que propõem a destruição do próximo, hábitos de consumo desregrados difundidos para vários públicos, desde a infância até aos idosos.

É realmente necessário se retormar as conferências de comunicações, envolvendo amplos setores, principalmente ao telespectador, que deve ser o maior interessado.

Só que o telespectador, hoje, já está anencéfalo, e não tem mais opinião própria.

1984, filme que na década de 60 denunciava a massificação dos povos, está dando retoques finais ao processo de alienação geral.

Pode-se conversar de moda (algumas coisas), estética (outras tantas), violência (para nos conformarmos em sermos também violentos), política (dentro da opinião pré-definida), etc.

Estamos no período do faz-de-conta.

A realidade não existe.

O espírito crítico não existe.

Estamos prisioneiros em nossas próprias casas, pelas grades da TV.