quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Dia 23 manhã amena em São Paulo

Não fosse uma gripe perigosa que contraí, congestionando os pulmões e obrigando-me a expectorar a todo instante, deixando minha presença indesejável, e poderia dizer que esta manhã traz tudo de bom para a cidade.

É possível usar uma camisa ou um terno leve e sair para trabalhar.

Passei a noite tossindo, como se diz, pondo os "pulmões para fora".

Saí de bike (em minha infância era bicicleta mesmo) para comprar o pão e não resisti levando também uma shipa de queijo, além de, na gula trazer uma bisnaga linda, afora os pães franceses e integrais.

Na volta da "Morada dos Pães", o leite, pesado, esbarrava na roda da bike, até que a sacola rasgou, mas isto foi, graças a Deus, acontecer quando já estava parado tentando abrir a porta da vila onde moro.

A vida é assim, vamos caminhando, defendendo nossos princípios, enquanto compramos pão e leite.

Daria para viver de pão e leite eternamente, não fosse este incômodo mental e espiritual que me acossa toda vez que vejo injustiças, mandonismos.

Lembro-me das palavras de Cristo: "Bem aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos Céus" e orgulho-me de manter esta leitura em dia ao longo dos anos de minha vida, tendo sido perseguido muitas vezes, perdendo empregos, sendo discriminado.

De longe, estando nele, o mundo parece-me hoje mais habitado - quase não há espaço, de tanta gente,  muito mais violento, e com uma rapidez de acontecimentos extraordinária.

Acorda-se com uma leitura dos acontecimentos, e dorme-se com outra.

Opina-se sobre uma revolução ou guerra, enquanto inocentes morrem, são expulsos de suas terras,  aos milhares.

Observo como os valores são adaptados para as novas circunstâncias, a depender de quem esteja no controle.

Ocorre que a realidade não se altera tão rapidamente; ela continua a mesma, ainda que atenuada.

Mas espera-se uma nova leitura, como se a situação já se tenha alterado.

Não digiro estas circunstâncias tão facilmente.

Desejo a todos um belo dia, como se tudo já estivesse resolvido.

É possível? Na alegria sim, na consciência, não!