sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Uma árvore sem Natal




Não me refiro especificamente a respeito do nascimento de Jesus Cristo, o nosso Salvador, mas serve bem como exemplo: como é difícil deixarmos tudo o que fazemos, para ir em busca daquilo que nos é essencial.

O que, via de regra, vale, o que nos segura, nos move, são fatores acessórios, superficiais, que neste trajeto de vida, acabam assumindo importância capital.

É como a árvore de Natal que é armada em outubro.

Ela tem um profundo significado de descoberta do principal, mas não há o espírito que a torna mensageira.

Torna-se tão somente uma árvore comum, como tantas que vemos diariamente.

Não será também assim a vida, o principal nos acompanhando sorrateiramente, desprestigiado, enquanto fazemos todos os tipos de buscas inúteis?

Colocamos a culpa no Pato (do Corinthians), na Dilma, nos políticos, pastores, padres, a penca é grande.

Não nos cansamos de denunciá-los (pelas nossas fraquezas nunca admitidas).

Somos os julgadores deste mundo.

Ah, como os intelectuais são verdadeiros deuses a contemplar o mundo por cima de suas cátedras.

Como há distâncias intransponíveis entre a fé e a atitude.

Só Cristo mesmo.

Somos os tais.

Quando monto a árvore de Natal, ainda em outubro, onde a vizinhança, amigos, inimigos, todos, estão envolvidos com suas inutilidades, tenho a sensação de um vazio imenso.

Terá de ser devagar, para não ferir a ponto de por tudo por terra.

Quem sabe se as lampadinhas, depois de armadas tenham um significado de despertar.

Despertarão?

Os enfeites são os mais perigosos, sempre a nos convidar a um natal pictórico, coreográfico, despistando o seu sentido.
Os presentes representarão tudo o que não fizemos durante o ano, e servirão como uma imensa desculpa pela falha. Tudo bem, é cristão.

Preciso preencher em mim esta árvore nua hoje, e tentar ir pondo nela os adereços.

Será que ficará pronta?

Tenho dúvidas