quarta-feira, 30 de outubro de 2013

O que não se vê.

Era apenas uma saída de carro, com a esposa, para trocar presentes de Natal comprados antecipadamente.

 No meio do caminho, como dizia Drummond, tinha uma pedra.

O telefone tocou e, informados de que havia acontecido um acidente com um irmão, mantivemos o trajeto, mas já com outros objetivos.

Fico pensando como o destino nos colhe em meio ao caminho para outros serviços, diferentes dos programados.

E vem a impressão de que uma grande mão encaminha tudo de maneira escondida, como se criasse uma teia de ambientes favoráveis para a nossa ação "espontânea".

"Servir é melhor que ser servido" - esta frase de Jesus que não consta dos evangelhos, mas é citada numa carta paulina, serve bem para percebermos o quanto é agradável ajudar.

Depois vêem as recompensas na forma de oportunidades que surgem na vida, e que poucas vezes fazemos uma relação entre ambas as situações.

Bem, este é um texto para os místicos.

Neste caso, os materialistas me desculpem pelo atrevimento com o obscuro, o que não se vê.