sexta-feira, 30 de setembro de 2011

R$160 milhões jogados no esgoto de São Paulo



Governo de Geraldo Alckmin desiste de sistema de flotação do Rio Pinheiros após 10 anos de tentativas, e gastos na ordem de R$160 milhões.

Lembro-me de que vereadores como o Tripoli, e outros "ambientalistas" foram eleitos sob a bandeira de despoluição do Rio Pinheiros. Conversa pr'a boi dormir.

A realidade é que o Rio Pinheiros continua o esgoto de sempre onde garças e capivaras sem alternativas, fazem do esgoto moradia.

Sabe qual foi a declaração do Secretário de energia, José Aníbal, sobre este fracasso custoso?

"Ganhamos Conhecimento".

Que bonito, como é simpático este secretário.

Como ele vê a situação com tamanha lucidez!

O Professor Ildo Sauer, da USP diz que o conceito de flotação estava errado desde o início, pois deixava o xixi e o cocô domésticos irem viajando pelo rio, causando doenças, e ao final, se coletava os resíduos.

A solução para ele é clara e é o tratamento do esgoto.

Quem vai pagar a conta?

O Governador Geraldo Alckmin?

Alckmin, entretanto, tem maioria na Assembléia, e não deixa que sejam investigadas quaisquer anomalias de seu governo.

O povo paulistano não merece este novo enterro do Rio Pinheiros, sem cortejo nem CPI na Assembléia Legislativa.

Os impostos arrecadados pelo Governo do Estado de SP, estão sendo jogados literalmente no esgoto.

A situação está fedendo, e muito.

Não sei onde fede mais, se no Rio Pinheiros ou na Administração estadual?