quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Vaticano pede o reconhecimento do Estado Palestino na ONU

Retirado do Zenit

Mamberti pede “decisões valentes” no conflito palestino
Intervenção do secretário para as Relações com os Estados na ONU
NOVA YORK, quarta-feira, 28 de setembro de 2011 (ZENIT.org) – A Santa Sé pediu, diante das Nações Unidas, nesta terça-feira, “decisões valentes” para superar o conflito entre israelenses e palestinos, aplicando o direito internacional, que prevê a existência de dois Estados.
O arcebispo Dominique Mamberti, secretário da Santa Sé para as Relações com os Estados, foi o encarregado de expor a posição vaticana, em uma declaração apresentada diante da assembleia geral.
Fazendo referência à reivindicação apresentada em 23 de setembro pelo presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahmud Abas, de reconhecer esta entidade como Estado membro da ONU, o comumente chamado “ministro de Assuntos Exteriores” do Papa considerou que a paz no Oriente Médio passa pela aplicação da Resolução 181 da ONU, de 1947, que “coloca a base jurídica para a existência de dois Estados”.“Um deles já foi criado, enquanto o outro ainda não foi constituído, apesar de que já se passaram quase 64 anos”, recordou Mamberti.
A Santa Sé, reconheceu, “está certa de que, quando se quer a paz, é preciso saber tomar decisões valentes”.
Por isso, afirmou, “é necessário que os órgãos competentes das Nações Unidas tomem uma determinação que ajude a aplicar de forma efetiva o objetivo final, isto é, a realização do direito dos palestinos a ter seu próprio Estado independente e soberano, e o direito dos israelenses à segurança, estando ambos os Estados com fronteiras reconhecidas internacionalmente”.Segundo o representante do Papa, “a resposta das Nações Unidas, seja qual for, não constituirá uma solução completa, e só se alcançará uma paz duradoura mediante negociações de boa fé entre israelenses e palestinos, evitando ações ou condições que contradigam as declarações de boa vontade”.
“A Santa Sé, por conseguinte, exorta as partes a retomarem as negociações com determinação e lança um apremiante apelo à comunidade internacional para que aumente o seu compromisso e estimule a sua criatividade e suas iniciativas, para que se chegue a uma paz duradoura, no respeito pelos direitos dos israelenses e dos palestinos”, concluiu Dom Mamberti.